AEROPORTOS

Snea avalia "incrível trimestre" da aviação doméstica

Segundo análise setorial do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea) relativa ao desempenho das companhias aéreas brasileiras que atuam no mercado doméstico, no primeiro trimestre de 2010, "o incrível desempenho de +35,06% na demanda acumulada por transporte aéreo no decorrer dos primeiros três meses de 2010 sobre igual período de 2009, levou a um total trimestral acima de 17 bilhões de passageiros quilômetros transportados pagos (RPK), se tornando o melhor trimestre do segmento doméstico da aviação comercial em nosso País, tanto em termos absolutos (RPK) como de variação no comparativo mensal".

Em relação a oferta mensal, em março de 2010, verificou-se o forte incremento de 18,47% sobre março de 2009, atingindo mais de 8 bilhões de assentos quilômetros oferecidos (ASK). Adicionalmente, o consistente aumento de 20,4% na oferta acumulada durante o primeiro trimestre de 2010, conduziu ao novo recorde de 23,76 bilhões de assentos-quilômetros oferecidos no total acumulado de janeiro a março no mercado doméstico.

Observando-se a variação na demanda e na oferta, no primeiro trimestre, segundo o Snea, pode se verificar que houve um crescimento de quase oito pontos percentuais no fator de aproveitamento médio (“Average Load Factor”) das aeronaves, que subiu de de 63,81% em 2009 para 71,64% em 2010.

“As expressivas variações no comparativo mensal e trimestral da demanda, da oferta e do fator de aproveitamento permite se prever a tendência de um imenso crescimento na aviação comercial brasileira, em 2010, que poderá superar as melhores expectativas no contexto do mercado doméstico”, avalia o sindicato. “Entretanto, este desempenho altamente positivo no setor de transporte aéreo pode encontrar grande dificuldade para a sua efetiva realização, devido aos gargalos existentes nos principais aeroportos brasileiros”, acrescenta.

“Assim, considerando o extraordinário crescimento experimentado neste trimestre e a situação da infraestrutura aeroportuária, as empresas brasileiras têm procurado prover e ampliar os serviços aéreos comerciais, disponibilizando aos seus passageiros avançadas ferramentas tecnológicas (web check-in, serviços automatizados em totens, reserva e compra de passagens com smartphones etc), que permitiram adequado atendimento aos usuários nos aeroportos, mesmo com a notável expansão do mercado, em especial após a chegada da ´nova classe C´", finaliza.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA