EMPRESAS

Tarcísio Gargioni prepara sua saída da Avianca Brasil


Emerson Souza
Tarcisio Gargioni, da Avianca Brasil
Tarcisio Gargioni, da Avianca Brasil

Tarcísio Gargioni está se despedindo de seu cargo executivo na Avianca Brasil. O vice-presidente da companhia acaba de oficializar seu processo de transição e, em seis meses, ganhará uma cadeira no Conselho. Embora seu cargo seja oficialmente de vice-presidente de Marketing e Vendas, Gargioni acumula Cargas, Call Center e outras funções da aérea, de maneira que não há, e talvez nem haverá, um sucessor oficial para sua posição.

LEIA TAMBÉM: Despedida: Tarcísio Gargioni, 28 anos de
aviação brasileira


O diretor comercial Rodrigo Napoli provavelmente será acrescido de funções, mas ainda não há nada definido. "Não sabemos se teremos uma pessoa ou se minhas atividades serão distribuídas para mais de um executivo", afirmou Tarcísio Gargioni com exclusividade ao Portal PANROTAS. "Exerço minhas atividades até julho, mês em que migrarei para o conselho", completou o já conselheiro do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC).

Gargioni está desde 1990 na aviação. O engenheiro de transportes migrou do setor rodoviário à Vasp, onde cuidou de Cargas e posteriormente da aviação comercial até 2000. Em meados desse mesmo ano participou da fundação da Gol, onde fez história como a primeira companhia low-cost do País, e revolucionou a distribuição de bilhetes. "Quebramos todos os paradigmas. Saímos da vala comum em todos os sentidos, seja na comercialização, no ato de voar, nos uniformes, na comunicação, em tudo."

Na Avianca Brasil desde 2011, Gargioni ajudou a transformar uma companhia regional em internacional. Entrou ainda no período de 2% de market share e entrega uma transportadora que representa 13% no doméstico, com 26% de participação nos mercados em que atua. "Não entramos em um novo destino para ser mais uma. Sempre inauguramos com operação robusta", ponderou. "Hoje estamos em Santiago e na costa leste dos Estados Unidos, com Miami, Nova York", completou Gargioni, orgulhoso.

Prestes a completar 71 anos, Gargioni está com sentimento de dever cumprido, mas crê que ainda há o que aprender. "Vou continuar dentro da aviação, participando, atuando no ponto de vista estratégico e, enquanto isso, vou transferir os ensinamentos para as gerações mais jovens, para que possam usufruir das minhas experiências. Ainda tenho muita energia e capacidade para isso."
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA