Aeroportos brasileiros operam no limite de espaço

|

Netto Moreira
O professor Elton Fernandes e o diretor do Snea, Ronaldo Jenkins
Um convênio entre a Coppe da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea) acaba de resultar no estudo “Transporte aéreo: estudo preliminar das capacidades dos aeroportos”. Coordenado pelo professor Elton Fernandes, especialista em Tecnologia, Gestão e Logística, o material apresenta uma situação alarmante, o que não chega a ser exatamente uma surpresa.

“Nosso problema não é para a Copa de 2014, mas para já”, afirma o diretor técnico do Snea, Ronaldo Jenkins. Segundo ele, o tráfego aéreo tem crescido mensalmente em cerca de 30%. Porém, não há contrapartida de investimento na infraestrutura aeroportuária.

“Os maiores aeroportos brasileiros não estão nem entre os 30 maiores do mundo”, diz o professor Elton Fernandes. Além disso, 50% dos vôos estão concentrados em três cidades – São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Segundo ele, se forem consideradas as 12 cidades-sedes para a Copa de 2014, a concentração é ainda mais excessiva – elas detêm 82% dos passageiros e 61% dos vôos. Com isso, uma das constatações do estudo é que há mais aeronaves no pátio do que a capacidade de vários aeroportos permite, o que os faz operar já em uma situação limite.

“Daqui a pouco, e não é preciso esperar a Copa de 2014, não teremos mais onde colocar aeronaves, isso vai gerar atrasos, congestionamentos e uma ineficiência em que todos pagam”, ressalta. “Se todos os vôos decolassem e pousassem no horário em que está previsto em aeroportos como Guarulhos, Congonhas e Santos Dumont, por exemplo, não caberiam as aeronaves no pátio”.

Por isso, segundo os especialistas, a Infraero e a Anac acabam gerenciando os vôos para que essa saturação não aconteça. Atrasa-se um vôo em terra, alonga-se um pouco mais o tempo de distância entre duas cidades. “Mas esse manejo daqui a pouco não vai dar mais conta”, diz Ronaldo Jenkins. “Já está ficando difícil de gerenciar”.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA