Tire suas dúvidas sobre a volta da Tam aos GDSs

|

PANROTAS / Emerson Souza
Paulo Castello Branco e Klaus Kühnast com Marco Antonio Souza (Distribuição Eletrônica) e Alfeu Prado (TI)
Paulo Castello Branco e Klaus Kühnast com Marco Antonio Souza (Distribuição Eletrônica) e Alfeu Prado (TI)
1 - O portal e-Tam vai acabar?
Não. "Muito pelo contrário", diz Paulo Castello Branco, vice-presidente Comercial e de Planejamento da Tam. "Continuamos investindo nele, todos os canais de venda dentro da Tam usam o portal e a recente migração que fizemos para a plataforma Amadeus teve a ver com melhorias no portal para nossos clientes e agentes de viagens", explica. Agências e consolidadoras, portanto, poderão escolher onde emitir: nos GDSs ou no portal.

2 - A volta ao GDS é uma derrota do modelo Tam de portal próprio?
Segundo Paulo Castello Branco, de forma alguma. "Defendo a tese de que temos de estar no máximo de canais de distribuição. Já vivemos em uma indústria oligopolizada, com poucos fabricantes de aviões, pneus... é bom darmos o máximo de opções de distribuição para nossos clientes. Os agentes de viagens agora podem optar onde emitir Tam". A entrada da Tam na Star Alliance não foi o principal motivo para o retorno ao GDS, de cordo com Castello Branco. E sim as questões comerciais (ele não quis dizer em quanto os GDSs reduziram suas tarifas para a Tam), abrindo o leque de canais de distribuição.

3 - Haverá incentivos para manter as agências no portal?
Não. Quem garante é Klaus Kühnast, diretor de Vendas. Segundo ele, a política comercial da Tam com as agências é a mesma nos dois canais. Ele não acredita em guerra de incentivos e houve um acordo com os GDSs para que não o façam. Se fizerem, a Tam também poderá fazer.

4 - Por que operadores e grupos terão de fazer reservas somente no portal?
Foi um acordo com os GDSs. Segundo Kühnast são dois segmentos que têm um controle muito complexo e eficiente dentro da Tam e a companhia preferiu não mexer com a tarifa operadora e com a emissão de grupos (em qualquer segmento). As demais reservas podem ser feitas nos dois canais.

5 - Quando começa o acesso às tarifas Tam nos GDSs?
O acesso será a todo o conetúdo da Tam que existe no portal (com as exceções citadas acima), incluindo as megapromoções, como no último final de semana. Para o Sabre, o início será dia 2 de agosto. Para o Amadeus, no dia 6.

6 - E o Travelport?
Segundo Paulo Castello Branco, é uma questão de dias para que se anuncie o acordo com o Travelport. Ainda há negociações financeiras e operacionais.

7 - Como as agências corporativas devem agir para colocar seus acordos com a Tam no Sabre e Amadeus?
As agências de viagens que possuem acordos corporativos devem entrar em contato com seu executivo de Contas Tam para que esse acordo seja liberado no ponto de venda do GDS. Lembrando que o código Iata desse ponto de venda deve ser igual ao utilizado no e-Tam. Agosto será o mês de transição e de resolução dessas migrações. Em seis meses, a Tam acredita que terá um retrato exato de quem optou por ficar no portal ou migrar para o GDS. O mercado corporativo será o que mais rapidamente migrará devido à integração dos GDSs com vários sistemas que eles utilizam.

8 - Haverá custos adicionais, por parte da Tam, aos agentes de viagens, por causa dessa volta?
A Tam garante que não. Nos Estados Unidos, já há modelos em que a aérea divide o custo do GDS com a agência. No Brasil, isso não ocorrerá.

9 - Como será o faturamento das emissões via GDS? As agências poderão utilizar o BSP?
O faturamento será feito direto com a Tam, via Direct Ticketing. Não há acordo com o BSP nesse momento. Ou seja, os agentes continuam utilizando o modo de pagamento diretamente com a Tam.

10 - Que formas de pagamento serão aceitas pelos GDSs?
Cartão de crédito a vista e parcelado, cash e requisição governamental (GR).

11 - As promoções também estarão nos GDSs?
Sim. O acesso é total ao conteúdo da Tam (full content). Incluindo as megapromoções e todas as tarifas promocionais (exceto tarifa operador e de grupos).

12 - A DU (hoje chamada de RAV - remuneração do agente de viagens - na Tam) estará nos GDSs?
Sim. Ela será calculada automaticamente por meio do GDS. Quando a DU para o internacional começar a vigorar (há negociação em andamento com a Abav), o procedimento será o mesmo.

13 - Quanto os GDSs respondem hoje na comercialização da Tam?
Hoje 5% das vendas no Brasil e 100% das vendas feitas no Exterior (17,5% do total da Tam) são feitas via GDS. A Tam não sabe precisar como ficará essa relação com esse retorno aos GDSs. Mas, mais que isso, espera aumento de vendas com essa volta.

14 - Com quem o agente de viagens deve tirar as dúvidas de formatos e procedimentos?
Essas dúvidas devem ser tiradas com o GDS escolhido com cada agência, e não com a Tam. A Tam somente cadastrará e autorizará os acordos corporativos.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA