PESQUISAS E ESTATÍSTICAS

O que mais aflige o viajante corporativo da América Latina? Estudo revela

Shutterstock
Qual é o momento mais difícil na jornada de um viajante corporativo na América Latina? Um recente estudo da GBTA Foundation desvendou a resposta: o tempo que ele gasta no trânsito. Este motivo vem seguido por layovers e mudanças de reservas em voos ou trens no meio da viagem, fatores que afetam diretamente a capacidade dos viajantes em permanecerem produtivos na estrada.

Chamado Melhorando a Experiência do Viajante – América Latina, o estudo foi conduzido em parceria com o Sabre Corporation e também tentou entender de que forma as empresas estão melhorando a experiência de seus viajantes. "Em última análise, aqueles que viajam querem economizar o máximo de tempo possível, conseguindo ser produtivos e tendo uma experiência agradável ao realizar seus objetivos de negócios. Uma melhor compreensão dos desafios que os viajantes enfrentam pode ajudar as organizações a servirem melhor seus guerreiros de estrada, fornecendo as ferramentas, os recursos e as políticas certas", afirma o diretor-executivo e COO da GBTA, Michael McCormick.

"Com os avanços tecnológicos, os viajantes corporativos estão mais conectados do que nunca, mas ainda temos muito trabalho para tornar a viagem a negócios perfeita, reduzindo o número de aplicativos e ferramentas necessárias para organizá-la, além de otimizar o cumprimento da política e reduzir os custos", destaca o presidente da Sabre Travel Network, Wade Jones. "É fundamental que organizemos e alinhemos nossos recursos para integrar as tecnologias em uma plataforma sustentável e rica em dados que suporte a experiência de viagens de negócios em todo o processo de planejamento e reserva para conciliar despesas no final da viagem", relata Jones.

SATISFAÇÃO DO VIAJANTE
As viagens de negócios, especialmente na América Latina, podem ter um enorme impacto na satisfação e retenção dos funcionários nas empresas, já que quase três quartos (71%) dos viajantes corporativos afirmam que sua experiência em viagens afeta sua satisfação geral do trabalho em grande medida. Isso é muito maior do que a os resultados obtidos na América do Norte (32%) e na Europa (34%).

As viagens de negócios também podem influenciar o recrutamento de novos funcionários. Dois terços dos viajantes de negócios da América Latina indicam que a política de viagens de uma empresa é importante (39%) ou muito importante (27%) ao considerar um novo emprego. Isso é mais verdadeiro entre millennials (74%) do que entre membros da geração X (62%) ou baby boomers (55%).

Além disso, uma esmagadora maioria dos viajantes (95%) alega que a qualidade de sua experiência em viagens de negócios afeta seus resultados de negócios. Quando perguntados sobre o que eles consideram vantagens durante suas viagens, os hotéis confortáveis encabeçaram a lista, seguidos de voos sem escalas, flexibilidade de reserva e tempo de descanso durante viagens longas.

No que diz respeito às compras que os viajantes fazem para melhorar sua experiência estão internet de alta velocidade no hotel, chamadas internacionais, wi-fi no avião/trem e upgrades de assentos, fatores que mostram que os viajantes parecem mais preocupados com o conforto e a conveniência quando se trata de aproveitar ao máximo sua jornada de negócios.

Os viajantes também indicaram que sua experiência de viagem seria favorecida com as ferramentas tecnológicas certas, que forneçam informações de destino de forma automatizada, além de aplicativos de rastreamento de segurança, gerenciamento de itinerário e pagamentos via celular.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA
 COMENTÁRIOS
  • Luiz Henrique Miranda - 17/10/2017 08:49:36
    A qualidade da comunicação móvel, dinâmica, eficaz; enfim, amigável, embarcada na política de viagens das corporações, contribui com o desempenho do capital de maior valor empregado: humano.
    DENUNCIAR