Digitalização nas viagens é necessária para a retomada

|

A Iata está alertando sobre o potencial caos nos aeroportos, a menos que os governos adotem rapidamente processos digitais para gerenciar credenciais de saúde em viagens, como testes para a covid-19 e certificados de vacina, entre outras medidas relacionadas à pandemia do novo coronavírus.

Divulgação
Digitalização nas viagens e aeroportos é necessária para a retomada
Digitalização nas viagens e aeroportos é necessária para a retomada
De acordo com a associação, os impactos serão graves:
  • Antes da covid-19, os passageiros, em média, gastavam cerca de 1,5 horas nos processos de viagem (check-in, segurança, controle de fronteira, alfândega e retirada de bagagem)
  • Os dados atuais indicam que os tempos de processamento do aeroporto aumentaram para 3 horas durante o horário de pico, com volumes de viagem em apenas cerca de 30% dos níveis pré-covid. Os maiores aumentos ocorrem no check-in e no controle de fronteiras (emigração e imigração), onde as credenciais de saúde para viagens são verificadas principalmente como documentos em papel
  • A entidade sugere que, sem melhorias nos processos, o tempo gasto nos processos do aeroporto poderia chegar a 5,5 horas por viagem, com 75% dos níveis de tráfego pré-covid, e 8 horas por viagem, com 100% dos níveis de tráfego pré-pandemia

“Os tempos médios de processamento e espera de passageiros já dobraram em relação ao que eram antes da crise durante o horário de pico. E isso acontece com muitos aeroportos implantando equipes de nível pré-crise para uma pequena fração dos volumes pré-pandemia. Ninguém vai tolerar horas de espera no check-in ou para as formalidades de fronteira. Devemos automatizar a verificação de vacinas e certificados de teste antes que o tráfego cresça. As soluções técnicas existem, mas os governos devem concordar rapidamente com os padrões de certificado digital e alinhar os processos para aceitá-los”, diz o diretor geral da entidade, Willie Walsh.

Divulgação
SOLUÇÕES
Se os governos exigem credenciais de saúde para viagens, integrá-las a processos já automatizados é a solução para um reinício tranquilo. Isso significa certificados digitais globalmente reconhecidos, padronizados e interoperáveis para testes e certificados de vacinas contra a covid-19.

Os certificados digitalizados têm várias vantagens:
  • Evitam documentação fraudulenta
  • Permitem verificações "prontas para voar" por governos
  • Reduzem filas, lotação e tempo de espera em aeroportos por meio da integração com o check-in self-service (via internet, quiosques ou aplicativos para celular)
  • Aumentam a segurança por meio da integração com o gerenciamento de identidade digital usado por autoridades de controle de fronteira
  • Reduzem o risco de transmissão do vírus por meio da troca de documentos em papel de pessoa para pessoa

ABORDAGEM GLOBAL
O G20 identificou uma solução semelhante. As Diretrizes do G20 para o Futuro do Turismo em Roma exigem uma abordagem internacional comum sobre os testes, vacinação, certificação e informações da covid-19, assim como a promoção da identidade digital do viajante.

As discussões do G7, que começam em 11 de junho, são a próxima oportunidade para os principais governos desenvolverem uma solução em torno de quatro ações principais, concordando em:
  1. Emissão de certificados de vacinação com base nos padrões de dados do Certificado de Vacina Inteligente da OMS, incluindo QR codes
  2. Emissão de certificados de teste de acordo com os requisitos de dados estabelecidos pela Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO)
  3. Aceitação de teste digital e certificados de vacina em suas fronteiras
  4. Quando os governos exigem que as companhias aéreas verifiquem as credenciais de viagem, eles devem aceitar aplicativos amigáveis ao viajante, como o Iata Travel Pass, para facilitar o processo de maneira eficiente

“Isso não pode esperar. Mais e mais pessoas estão sendo vacinadas, mais fronteiras estão se abrindo. Os padrões de reserva nos dizem que a demanda reprimida está em níveis extremamente altos. Mas os governos e as autoridades competentes estão agindo de forma isolada e indo muito devagar. Um reinício suave ainda é possível. Mas os governos precisam entender a urgência e agir rápido”, finaliza Walsh.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA