Movida

Victor Fernandes   |   05/06/2020 17:20

CEO da JetBlue defende novas políticas de cancelamento

Robin Hayes afirmou que as políticas de troca e cancelamento das companhias aéreas precisarão mudar.

Divulgação
Em uma entrevista ao Washington Post, o CEO da JetBlue, Robin Hayes, discutiu como as políticas de troca e cancelamento das companhias aéreas precisarão mudar, como resultado do covid-19. O executivo acredita que uma mudança será necessária à medida que o tráfego e a demanda começarem a se recuperar após um período de paralisação. Para Hayes, as aéreas podem precisar fornecer às pessoas a capacidade de mudar de voo com mais facilidade do que no passado.

“Eu acho que as companhias aéreas terão que repensar como vendem seus produtos. Porque nunca será realmente aceitável para alguém que não está se sentindo bem, achar que foi feito para voar", afirmou Hayes na entrevista. Ele acredita que as novas políticas de remarcação adotadas por conta do coronavírus se tornarão a norma por algum tempo, ou pelo menos enquanto o vírus permanecer.

Hayes também afirmou que uma das questões essenciais que a aviação comercial enfrenta atualmente como indústria é como dar às pessoas a confiança para voar novamente. As viagens aéreas dos EUA caíram 95% em relação a 2019, e o voo doméstico médio tem 17 passageiros. Embora isso facilite bastante o distanciamento social padrão a bordo, o CEO da JetBlue não acredita que bloquear o assento médio seja sustentável, nem mesmo em um futuro próximo.

"Acho que você definitivamente terá que se sentar ao lado de um estranho novamente em um avião, porque na economia de nossa indústria, a maioria das companhias aéreas tem um fator de carga de equilíbrio de 75 a 80%. Portanto, claramente, limitar os voos a 65% até 6 de julho não é sustentável”, afirmou Hayes.

Em maio, a transportadora prometeu que iria bloquear assentos adjacentes aos passageiros em todos os voos até o dia 6 de julho, afirmando que nenhum viajante precisaria se sentar ao lado de alguém que não conhecia. As famílias, no entanto, receberiam cadeiras próximas umas das outras.

Tópicos relacionados

 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA

Mais notícias