Grécia lidera desempenho no verão pós-vacina da Europa

|

Divulgação/ Star Clippers
Grécia foi destaque do verão europeu
Grécia foi destaque do verão europeu
Uma nova pesquisa da Forward Keys revelou que os voos internacionais para destinos europeus em julho e agosto atingiram 39,9% dos níveis pré-pandêmicos. Isso é significativamente melhor do que no ano passado (que foi de 26,6%), quando a pandemia causou bloqueios generalizados; e as vacinas ainda não haviam sido aprovadas. No entanto, as perspectivas não estão melhorando, já que as reservas diminuíram no final do período de verão de acordo com a pesquisa.

Olhando para o desempenho por país, a Grécia foi o destaque. Alcançou 86% das chegadas de julho e agosto em 2019. Foi seguido por Chipre, que alcançou 64,5%, Turquia, 62% e Islândia, 61,8%. Grécia e a Islândia foram dois dos primeiros países a fazer alegações amplamente divulgadas de que aceitariam visitantes que tivessem sido totalmente vacinados, que pudessem apresentar um teste PCR negativo e/ou que pudessem apresentar provas de recuperação do covid-19.

Os países com os piores resultados foram aqueles que dependem mais do Turismo de longa distância, como França e Itália, e aqueles que impuseram as restrições de viagens mais rigorosas e voláteis, como o Reino Unido, que definhou no final da lista, alcançando apenas 14,3% de níveis de 2019.
Divulgação
Excluindo as companhias aéreas de baixo custo, os voos intra-europeus representaram 71,4% das chegadas, em comparação com 57,1% em 2019. O relativo desaparecimento de visitantes de longa distância, que normalmente ficam mais, gastam mais e concentram sua atenção nas cidades e nos passeios turísticos, foi sublinhado nas classificações dos destinos locais com melhor e pior desempenho.

Essa lista foi encabeçada por Palma de Maiorca, também um importante destino turístico de praia, atingindo 71,5% dos níveis de 2019 e por Atenas, porta de entrada para inúmeras ilhas do Adriático, com 70,2%. As seguintes cidades principais com melhor desempenho foram Istambul, 56,5%; Lisboa, 43,5%; Madri, 42,4%; Paris, 31,2%; Barcelona, 31,1%; Amsterdã, 30,7%; e Roma, 24,2%.
Divulgação
DESTINOS MAIS RESISTENTES
Em comparação, os destinos de lazer provaram ser muito mais resistentes. Uma classificação de todos os principais destinos locais (ou seja: aqueles com uma participação de mercado superior a 1%) foi dominada por locais de férias tradicionais à beira-mar ou a porta de entrada para eles. Os líderes foram Heraklion e Antalya, que excederam os níveis pré-pandêmicos em 5,8% e 0,5%, respectivamente. Eles foram seguidos por Thessaloniki, 98,3%; Ibiza, 91,8%; Larnaca, 73,7%; e Palma de Maiorca, 72,5%.

Além das tendências macro, certos destinos se saíram relativamente melhor ou pior por razões mais específicas do local. Por exemplo, Portugal, que é um destino favorito dos turistas do Reino Unido, sofreu quando o Reino Unido mudou a sua designação de verde para âmbar em junho; e a Espanha sofreu no final de julho, quando a Alemanha advertiu contra todas as viagens, exceto as essenciais.

RECUPERAÇÃO MODESTA
“Quando se considera como as coisas foram terríveis para o Turismo na Europa no ano passado, este verão foi uma história de recuperação muito modesta. Comparado com os tempos normais, a baixa intensidade contínua das viagens aéreas internacionais, menos de 40% do normal, tem sido extremamente prejudicial para a indústria da aviação. A contínua ausência de viajantes de longa distância, particularmente do Extremo Oriente (atingiu apenas 2,5% dos volumes pré-pandêmicos neste verão), será um golpe severo para a economia de visitantes de vários países europeus", afirmou o VP de Insights da Forward Keys, Olivier Ponti.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA