Saiba como é o Turismo de experiências na Serra Gaúcha

|

Mesmo diante da pandemia de covid-19, o setor de parques e atrações continuou sua expansão no País, especialmente na região da Serra Gaúcha. De acordo com a Associação dos Parques e Atrações da Serra Gaúcha (APASG), a retomada do fluxo de turistas durante o ano de 2020 e o início deste ano só passou a ser observado de modo consistente assim que os atrativos foram liberados a operar.

Em artigo exclusivo para o Portal PANROTAS, o presidente e a diretora-executiva do Sistema Integrado de Parques e Atrações Turísticas (Sindepat), Murilo Pascoal e Carolina Negri, reforçam a importância do setor de parques e atrações para o Turismo brasileiro e explicam como a Serra Gaúcha tem se tornado um destino de experiências.

Leia na íntegra o artigo abaixo.

Divulgação
Carolina Negri e Murilo Pascoal, do Sindepat
Carolina Negri e Murilo Pascoal, do Sindepat
"Parques, atrações turísticas e o “ciclo da experiência” na Serra Gaúcha

*Murilo Pascoal e Carolina Negri

É desnecessário destacar que a indústria do turismo foi uma das mais impactadas pela pandemia da covid-19. Dados do World Travel & Tourism Council (WTTC) apontam que o setor de Viagens e Turismo registrou US$ 4,5 trilhões de perdas em nível global em 2020, extinguindo mais de 60 milhões de empregos.

Durante ação do Sindepat, associação nacional que representa parques e atrações turísticas, realizada em Gramado e Canela (RS) na primeira semana de agosto, pudemos presenciar e reconfirmar um fato que desde o início da pandemia verbalizamos em audiências públicas no Congresso Nacional, em reuniões com lideranças do Poder Executivo e em inúmeras participações em lives: a importância dos parques e atrativos para o Turismo brasileiro.

Apesar do cenário desencadeado pela pandemia, a região da Serra Gaúcha vive um boom no desenvolvimento de parques e atrações, tornando-se um importante cluster nacional do entretenimento. Empreendimentos recém-inaugurados e diversos projetos em andamento não deixam dúvidas sobre o crescimento. De acordo com a presidente da Associação dos Parques e Atrações da Serra Gaúcha (APASG), Manoela Costa, a retomada do fluxo de turistas, entre aberturas e fechamentos constantes na região – e em todo o mundo, durante 2020 e o início deste ano – só passou a ser observado de modo consistente assim que os atrativos foram liberados a operar.

Com capacidade reduzida e dezenas de protocolos implementados em processos operacionais, os parques e atrações foram reabrindo dentro do “novo normal”, com a introdução de novos check-lists. Os turistas só voltaram a frequentar a Serra Gaúcha quando passaram a ter acesso às dezenas de atrações que a região oferece. Hotelaria, restaurantes e comércio variado complementam os serviços necessários para a experiência de qualquer viajante. O último mês de julho foi, para vários empresários, o melhor da história em décadas.

O relato que se ouve de vários empresários da região é que a alta sazonalidade, um dos grandes inimigos de qualquer destino que vive do Turismo, vinha sendo controlada em razão da inúmera quantidade de opções de entretenimento, de parques a pizzarias temáticas, e de eventos. De fato, a gama de produtos vem sendo diversificada. Para citar alguns: parque indoor de neve e aquático termal (recentemente inaugurado); museus de cera, de carros, de motos, de caminhões e sobre a história do vapor; parques naturais com estruturas incríveis de atendimento ao público, como bondinhos, passarelas de vidro, tirolesas, trenós de montanha; simuladores de última geração; casas temáticas; passeios por vinícolas de bike, de carro etc. Dezenas de vivências possíveis, para casais, amigos ou famílias.

O destino que já viveu ciclos importantes, como destino de malharia e de chocolate, agora experimenta o ciclo da experiência. Esse crescimento contribui diretamente para o desenvolvimento regional. Exemplo também nos foi relembrado, quando, na véspera de inaugurar seu cinema 4D, o Alpen Park, em Canela, teve atraso no visto de um profissional que viria da China para ajustes técnicos. Com apoio do Sindepat, que intercedeu junto ao Ministério do Turismo, a situação foi resolvida e o técnico chegou a tempo para a inauguração. Algum tempo depois, o Ministro do Turismo à época foi ao parque conhecer a atração e, após a visita, apoiou o município na construção da estrada entre a cidade e o parque.

Parques são ativos complementares entre si. Os novos atrativos muitas vezes proporcionam uma revisitação dos mais antigos. Induzem o aumento de permanência no destino. Mais diárias no hotel, mais um jantar no restaurante. E assim a roda do Turismo tem mais um giro. Parques estimulam a melhoria da infraestrutura de acesso e urbana; geram empregos; desenvolvem uma rede de fornecedores de produtos e serviços locais (criando os empregos indiretos); estimulam micro e pequenos empreendedores; atuam em diversas ações sociais nas comunidades em que estão inseridos – participando de movimento de doação de alimentos na pandemia, por exemplo; além da enorme responsabilidade de entregarem a experiência perfeita, parte do sonho de muitos de seus visitantes.

Com o exemplo da Serra Gaúcha, podemos nos perguntar: por que olhar sempre para cases internacionais? Temos muita coisa boa dentro de casa. Temos sim um cluster de entretenimento, empreendedores que acreditam no Turismo brasileiro, que investem em estruturas, processos e atendimento de altíssima qualidade, e que funcionam incrivelmente bem, movidos pela simpatia, zelo e atenção do bem receber do gaúcho."
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA