Pesquisa aponta queda em usuários de hospedagem compartilhada

|

Pixabay
Mesmo com ascensão do Airbnb, interesse por hospedagens compartilhadas caiu
Mesmo com ascensão do Airbnb, interesse por hospedagens compartilhadas caiu

Apesar de nos últimos anos o tema hospedagens compartilhadas estar em alta, principalmente após a ascensão do Airbnb, segundo uma pesquisa revelada nesta semana o interesse de viajantes em estadas do tipo estaria diminuindo.

De acordo com o estudo da Portrait of American Travelers, da MMGY Global, que entrevistou cerca de três mil estadunidenses que fizeram ao menos uma viagem nos últimos 12 meses, apenas 33% dos entrevistados estão interessados em compartilhar acomodações econômicas, abaixo dos 41% registrados na mesma pesquisa em 2017, e até dos 37% em 2016.

Comparativamente, 75% expressam interesse em grandes hotéis de marca, enquanto 66% estão interessados em propriedades com base em suítes e 61% querem hotéis de marca com serviços limitados - mais baratos e com menos serviços, mas com a qualidade das bandeiras superiores.

Quanto mais jovem, maior a propensão em se acomodar em hospedagens compartilhadas: da geração dos millennials, nascidos entre 1977 e 1995, 46% aceitariam ficar em uma, seguida pelos viajantes da Geração X (de 1965 a 1976), com 31%; e pelos baby boomers (de 1946 a 1964), com 22%.

Cerca de 20% (14% no Airbnb e 5% no VRBO ou HomeAway) de todos entrevistados disseram que usaram as acomodações compartilhadas pelo menos uma vez durante os últimos 12 meses, abaixo dos 22% em 2017.

Em contrapartida, embora o interesse esteja baixo, 27% dos viajantes ainda pretendem reservar hospedagens compartilhadas no futuro, acima dos 19% em 2017 e 18% em 2016. Os millennials são os mais propensos a buscar acomodações compartilhadas nos próximos meses (42%), seguidos da Geração X (22%).

Três principais motivos foram apontados para a recusa de se hospedar em casas compartilhadas: dividir acomodações com estranhos (71%), preferência pela localização de hotéis (66%) e ainda a qualidade da hospedagem (50%).
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA