Maranhão investe no Turismo regional e desenha Rota Amazônica

|


Flickr.com/edwinpoon_gz
O eixo de divulgação será dividido entre o ecoturismo e o Turismo cultural. Parque dos Lençóis Maranhenses foi reaberto dia 1 de julho
O eixo de divulgação será dividido entre o ecoturismo e o Turismo cultural. Parque dos Lençóis Maranhenses foi reaberto dia 1 de julho
Assim como outros segmentos econômicos, o Turismo do Maranhão está em fase de retomada gradual com a adoção dos protocolos de saúde e segurança. Além dos meios de hospedagem, diversas atrações turísticas, bares e restaurantes já foram reabertos em todo o Estado. Do mesmo modo, as frequências aéreas também têm sido retomadas gradativamente, com aproximadamente 30% das operações de antes da pandemia. O setor de eventos, no entanto, ainda não tem previsão de retomada.

“Após um intenso diálogo com todos os setores, chegamos a alguns protocolos que foram adotados pelo governo do Estado visando à reabertura segura das atividades. Hoje estamos sem nenhuma restrição dentro do Estado, mas nós temos acompanhado a situação com bastante cautela, procurando sensibilizar todos os setores e conscientizar a comunidade a respeito da importância de seguir esses protocolos”, afirmou o secretário de Turismo do Maranhão, Catulé Junior, que participou da live Check Point no Portal PANROTAS, ao lado dos secretários de Sergipe, José Sales Neto, e Alagoas, Rafael Brito. O projeto é uma iniciativa da PANROTAS e Imaginadora, com apoio da R1.

Divulgação
O secretário de Turismo do Maranhão, Catulé Junior
O secretário de Turismo do Maranhão, Catulé Junior
Para a recuperação mais rápida, a estratégia do setor é focar o Turismo regional e doméstico, especialmente nos segmentos de ecoturismo e Turismo cultural. Como parte do planejamento, o Maranhão, junto ao Pará e Amazonas, está trabalhando na Rota Amazônica, que deverá ser lançada em agosto. Além disso, a Secretaria de Turismo lançou um aplicativo com todas as informações sobre os atrativos e meios de hospedagens dos principais polos turísticos do Estado.

Segundo o secretário, desde o início da pandemia houve uma preocupação do Estado em ajudar financeiramente os setores mais afetados, com disponibilização de linhas de crédito e doação de cestas básicas. “Fizemos tudo o que estava ao nosso alcance para ajudar os profissionais que precisavam. Agora, o importante é que estejamos unidos para voltarmos ao patamar pré-pandemia o mais breve possível”, finalizou.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA