Retomada do Turismo pode gerar R$ 13,1 bilhões em São Paulo

|

A retomada das viagens e da atividade turística deve ser um fator importante para o crescimento da economia paulista nos próximos meses. É o que aponta a um estudo liderado pelo Centro de Inteligência da Economia do Turismo (Ciet), da Secretaria de Turismo do Estado de São Paulo, em parceria com Fundação Instituto de Administração (FIA), da Universidade de São Paulo. De acordo com o relatório, a poupança de viagem acumulada durante a pandemia pode resultar numa injeção de R$ 13,1 bilhões em divisas para o Estado por meio de viagens nos destinos paulistas.

Os economistas consideraram o valor da poupança reservada para viagens antes do início da pandemia (R$ 6,1 bilhões), acrescentaram os depósitos na poupança durante a quarentena mais R$ 4,4 bilhões, acumulada entre março e agosto desse ano, e incluíram um percentual chamado de "efeito de fidelização", que é o valor que será gasto em viagens de retorno aos destinos paulistas durante o período de retomada (R$ 2,6 bilhões).

Emerson Souza
Vinicius Lummertz, secretário de Turismo em São Paulo, acredita que os destinos próximos serão os mais procurados
Vinicius Lummertz, secretário de Turismo em São Paulo, acredita que os destinos próximos serão os mais procurados
"Os viajantes ainda estão inseguros para encarar destinos mais longínquos, com voos demorados e situações desconhecidas. São Paulo oferece inúmeras opções de viagens de proximidade, todas alinhadas aos protocolos de segurança, privilegiando o contato com a natureza e o distanciamento social", afirma o secretário de Turismo paulista, Vinicius Lummertz.

RECUPERAÇÃO DE EMPREGOS
A análise também apontou que as viagens pelo Estado durante a retomada poderiam recuperar os empregos perdidos desde o início da pandemia (138 mil) até o mês de novembro de 2021. Na distribuição ao longo dos próximos meses, seriam 71 mil empregos retomados até o fim desse ano, sendo 36,4 mil pelo movimento orgânico, natural, de retomada do Turismo e outros 34,6 mil gerados por esta retenção de turistas que viajariam pelo Estado; e o restante no ano de 2021.

"O potencial de recuperação de empregos tende a ser maior este ano por conta da demanda aprisionada. Ao longo do próximo ano, passam a ser incorporadas de forma orgânica com o retorno natural da confiança", afirma o secretário.

Para manter em São Paulo o turista paulista, a Setur aposta no reforço de campanhas promocionais com foco no Turismo de proximidade, que destaca os municípios localizados a distâncias de até 200 quilômetros do viajante; além do estímulo a novos roteiros que privilegiem atividades ao ar livre e atrativos de natureza. De acordo com dados recentes divulgados pelo CIET, o retorno do turismo deve acontecer com viagens rodoviárias, por períodos curtos e destinos a até três horas de deslocamento. As três regiões turísticas que deverão se recuperar mais rápido são: Baixada Santista, Campinas/Circuito das Águas e Vale do Paraíba/Mantiqueira/Litoral Norte.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA