Palácio Itamaraty do Rio de Janeiro será restaurado

|


Daniela Reis/Iphan
O propósito da parceria Iphan-Itamaraty é restaurar o monumento e priorizar a sustentabilidade econômica do Patrimônio Cultural
O propósito da parceria Iphan-Itamaraty é restaurar o monumento e priorizar a sustentabilidade econômica do Patrimônio Cultural
Com o intuito de valorizar o Palácio Itamaraty, que já foi sede da Presidência da República do Brasil e do Ministério das Relações Exteriores, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) está reunindo esforços para restaurar o monumento. A proposta se inicia com a parceria entre a superintendência do Iphan no Rio de Janeiro e o Escritório de Representação do Ministério das Relações Exteriores. Além destas instituições, o Ministério do Turismo e a Secretaria Especial de Cultura endossam a iniciativa.

O Instituto cedeu ao Itamaraty uma arquiteta do quadro da autarquia com expertise em gestão e acompanhamento de projetos, bem como em obras de conservação e restauro. Ao longo de dois anos, a profissional viabilizará a interface entre três iniciativas – com recursos que totalizam 12,5 milhões – dedicadas a produzir projetos executivos de restauro e a efetivar as obras em si.

Outro propósito da parceria Iphan-Itamaraty consiste em buscar novos modelos de gestão dos monumentos, que priorizem a sustentabilidade econômica do Patrimônio Cultural, promovam o Turismo, se integrem ao cotidiano da sociedade e atendam às necessidades dos cidadãos no campo do lazer, da cultura e da educação.

Viabilizada pela Lei Rouanet, a primeira fonte de recursos tem origem em um termo de cooperação com o Instituto Pedra. São R$ 6,6 milhões voltados ao projeto executivo de restauração de três edificações que compõem o complexo do Palácio Itamaraty: a construção original, a biblioteca e o prédio da antiga cavalariça. Já a emenda parlamentar disponibilizou R$ 2 milhões para o projeto executivo da edificação que abriga a parte administrativa do Itamaraty.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por sua vez, concedeu R$ 3,9 milhões para implementar o projeto de prevenção, combate a incêndio e segurança do Museu Histórico Diplomático (MHD), localizado no prédio original; bem como do imóvel que abriga a Biblioteca, onde também se encontram a Mapoteca e o Arquivo do Itamaraty.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA