Caldas Novas (GO) exige teste negativo de covid-19 para turista

|

Desde ontem (3) quem chega a Caldas Novas, no interior de Goiás, encontra uma cidade diferente e com uma série de restrições. A partir de um decreto municipal, a prefeitura determinou que o comércio feche as portas a partir das 18h e todos os turistas que chegarem precisam apresentar testes de covid-19 com resultado negativo. A medida vale por sete dias e pretende evitar o colapso na saúde causado pelo aumento do número de casos, óbitos e demandas por vagas de UTIs causado pela proliferação do coronavírus.

Do The News Connection
Hotéis e parques aquáticos tiveram sua capacidade de atendimento reduzida para 30%
Hotéis e parques aquáticos tiveram sua capacidade de atendimento reduzida para 30%
Para a chegada de turistas, o novo protocolo funciona a partir de barreiras sanitárias instaladas em acessos terrestres e aeroportos. Nesses locais, os turistas precisam apresentar comprovante de reserva no hotel e ter sua temperatura aferida. O teste negativo para covid tem de ter sido feito até três dias antes da apresentação e deve ser entregue ao hotel no ato do check-in.

“Há fiscalização prevista para conferir se os meios de hospedagem estão cumprindo a determinação e como esse processo está sendo feito”, alertou a secretaria de Turismo da cidade.

Além da necessidade da apresentação de exames, os hotéis têm ainda outra nova regra: ocupação máxima de 30%. O mesmo percentual vale para a ocupação dos parques aquáticos, que funcionarão agora entre 6h e 18h.

O decreto municipal também limita outras atividades comerciais. Além de terem que fechar as portas às 18h de segunda à sexta-feira, lojas, bares, restaurantes e lanchonetes não devem atender durante o final de semana, quando só atividades essenciais serão permitidas.

A decisão da prefeitura pode ser prolongada por mais sete dias de acordo com a evolução da primeira semana de restrições.

Com 13 empreendimentos na cidade entre hotéis, resorts e parques aquáticos, o grupo diRoma revela que a medida tem gerado muitos cancelamentos. Segundo o superintendente da rede, Aparecido Sparapani, o trabalho agora é intenso.

“Estamos fazendo de tudo um pouco. Incentivando as pessoas a fazerem o teste antes da viagem, acatando as mudanças de datas, buscando uma empresa que possa fazer os testes na chegada do cliente (assim que tiverem uma resolução divulgaremos para o trade) e trabalhando para que este decreto não seja reeditado para além do dia 9”, enumera.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA