ECONOMIA E POLÍTICA

Tarifas aéreas devem sofrer queda em 2020, prevê mercado

Wikicommons
As companhias aéreas devem ter tarifas mais baixas neste ano, depois de um 2019 cujos resultados foram favorecidos pela alta dos preços das passagens permitida, uma vez que houve a saída de um importante player do mercado (Avianca Brasil).

De acordo com a Agência Estado, com o fim das operações da Avianca Brasil e a redução na oferta de voos, as empresas aéreas puderam elevar suas tarifas e o preço médio para um voo doméstico passou de R$ 366,97, nos nove primeiros meses de 2018, para R$ 410,18, no mesmo período de 2019, o que significou uma alta de 11,8%.

De acordo com a Anac, esse foi o maior aumento real – sem levar em consideração a inflação – para o período desde pelo menos 2012.

Entretanto, para responder a recuperação do setor, as companhias estão aumentando o número de voos. A Azul, que ampliou a oferta em cerca de 20% no ano passado, deve manter essa taxa em 2020. A Gol pretende acompanhar a demanda e aumentar a oferta entre 6% e 9% – número semelhante ao da Latam. Com isso, é possível que os preços das passagens sofram uma redução.

 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA