Confiança dos comerciantes cai pelo quinto mês seguido

|

A confiança do comerciante brasileiro sofreu outra queda em abril, de acordo com o Icec (Índice de Confiança do Empresário do Comércio), apurado mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Wikipedia
Confiança dos comerciantes cai pelo quinto mês seguido, de acordo com índice da CNC
Confiança dos comerciantes cai pelo quinto mês seguido, de acordo com índice da CNC
Segundo o documento, foi registrada uma redução mensal de 6,4%, atingindo 95,7 pontos. Trata-se da quinta variação negativa consecutiva e do menor resultado desde outubro de 2020. O indicador também voltou a ocupar a zona de insatisfação (abaixo de 100 pontos), após seis meses.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, explica que o indicador reflete percepções negativas em relação às condições gerais da economia, o que resulta na baixa expectativa de investimentos pelos empresários, apesar da movimentação de recursos na Páscoa e da retomada do auxílio emergencial em abril.

É preciso destravar os setores paralisados, como o comércio, que foi diretamente impactado pelo lockdown. Para isso, não existe fórmula mágica, a imunização da população precisa andar. Acreditamos que, com maior circulação de pessoas pelas ruas, o cenário de confiança do comerciante possa se modificar no curto e médio prazos”, afirma.

PROBLEMAS DE ESTOQUE
Os três componentes do Icec apresentaram retrações pela terceira vez seguida. O aumento das dificuldades de equilíbrio entre oferta e procura também chamaram a atenção no que diz respeito ao nível de estoques. Em abril de 2020, cerca de 61,2% dos empresários consideravam que os estoques estavam em um volume compatível. Em abril deste ano, o número caiu para 56,7%, demonstrando incertezas e dificuldades para fazer o ajuste do volume de produtos da empresa com o mercado.

O economista da CNC responsável pela pesquisa, Antonio Everton, aponta que o cenário é ainda mais complexo e cita outros motivos que podem contextualizar a percepção do comerciante: “Há problemas para conseguir repassar aumento de custos para os preços finais, quando há famílias mais endividadas. Além disso, o crédito está mais caro, há incertezas políticas, demora com reformas do Estado, dólar alto e consumidores cautelosos quanto a extrapolar gastos.”

A análise, os gráficos e a série histórica da pesquisa podem ser acessados clicando aqui.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA