Phocuswright prevê aumento anual de 6% para Turismo Latam

|


Mapie/ Divulgação
Carolina Sass de Haro, sócia diretora da Mapie e analista do mercado latino americano para a Phocuswright, ao lado de Pete Comeau, vice presidente Sênior de Marketing e Vendas da Phocuswright
Carolina Sass de Haro, sócia diretora da Mapie e analista do mercado latino americano para a Phocuswright, ao lado de Pete Comeau, vice presidente Sênior de Marketing e Vendas da Phocuswright
LOS ANGELES — A Phocuswright Conference, principal evento do Turismo on-line e novas tecnologias, acontece esta semana em Los Angeles, com o tema Power Paradox (o paradoxo do poder). Entre os temas abordados estão o poder dos gigantes e os desafios para crescer e permanecer no topo, de olho, porém, nas pequenas iniciativas, que podem ser os novos disruptores da indústria.

Como é tradição, a Phocuswright, representada no Brasil pela Mapie, de Carolina Sass de Haro e Trícia Neves, levou para o evento a mais recente atualização do estudo Latin America Online Travel Overview, que traz dados do mercado on-line da indústria de viagens e que pode ser acessado na versão completa para os assinantes da plataforma Open Access da Phocuswright.

Segundo Carolina, também analista de mercado latino-americano para a Phocuswright, o setor tem motivos para ficar otimista após alguns anos de retração. “Apesar da instabilidade política e econômica em muitos países da região, o Turismo total deverá crescer em média 6% anualmente nos próximos anos, considerando as moedas locais. O Turismo on-line continuará em sua trajetória de forte crescimento, com média prevista de 11% ao ano até 2022”.

Quando se consideram os valores em dólares, o índice de crescimento é menor, pois os países latino americanos sofreram com a desvalorização de moeda. Em 2017, a América Latina teve um crescimento de 7% em relação ao ano anterior, totalizando cerca de US$ 55 bilhões em vendas totais.

FORÇA DAS OTAS

O México é o principal mercado regional, seguido do Brasil, que representa 34% do total. A penetração on-line da região é de 35% e o Brasil ocupa o primeiro lugar, com 39% das vendas sendo feitas de forma digital. Nas reservas on-line, as OTAs são mais fortes que as reservas diretas, especialmente por conta da oferta hoteleira capilarizada.

Analisando apenas o Brasil, o volume total de vendas alcançou US$ 19 bilhões em 2017. Para 2018, a projeção é de um crescimento de 7% quando o número é analisado em reais. A penetração on-line segue crescendo vigorosamente alcançando 42% (previsão para 2018), sendo que apenas 16% destes são de reservas diretas.

A expectativa é que o crescimento médio para os próximos anos será por volta de 6% por ano no volume total e 10% no on-line. Em 2022, uma a cada duas reservas deverá ser feita por canais digitais.

“As companhias aéreas brasileiras são responsáveis pelos principais números do Turismo on-line e das reservas diretas. Já os hotéis, observam um forte crescimento da penetração digital, que acontece principalmente via OTAs e metabuscadores”, diz Carolina.


TENDÊNCIAS

O estudo da Phocuswright destaca três tendências para os próximos anos:

1/ uma gestão mais atenta e dedica à jornada digital do cliente, criando oportunidades de conversão mesmo antes de uma busca direta por um fornecedor ou destino;

2/ para clientes das novas gerações, programas de fidelidade não são ferramentas de lealdade a uma marca e sim acesso a tarifas especiais e principalmente, acesso exclusivo a experiências únicas;

3/ e finalmente, hospedagens alternativas farão cada vez mais parte da cesta competitiva tradicional e o cliente utilizará distintos meios de hospedagem de acordo com o perfil e necessidade de cada viagem específica.

A PANROTAS viaja a convite da Phocuswright, com proteção GTA.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA