Turismo do EUA se recupera após crise de 2008; leia | Destinos | PANROTAS
DESTINOS

Turismo do EUA se recupera após crise de 2008; leia

No último ano, o turismo doméstico de lazer dos Estados Unidos se recuperou da forte crise econômica mundial em 2008. A afirmação parte do Phocuswright, que divulgou a pesquisa anual “From hurt to healed: U.S. Leisure Travelers back at full strength”, que, como o nome sugere, mostra que o país passou da dor à cura e traz números que comprovam tal afirmação.

Em 2014, os Estados Unidos apresentaram o melhor resultado em seis anos. No período, 66% da população, ou dois terços dos adultos, embarcou em ao menos uma viagem de lazer dentro do extenso território norte-americano. Cinco anos atrás, por exemplo, o índice chegou a 61%. Desta forma, os últimos números apontam um total de 140 milhões de viajantes.

Os millennials, pessoas que têm entre 18 e 34 anos, são os principais responsáveis pela marca positiva, com um total de 71% das viagens. Em 2012, por exemplo, o número chegou a 66%. Em contrapartida, no ano de 2013, jovens entre 18 e 24 anos somaram 68% de embarques domésticos, enquanto entre 25 e 34 totalizaram a até então insuperável marca de 73%.

LEIA TAMBÉM
Geração Millennials prefere viajar sozinha, diz pesquisa

Embora os números tenham trazido uma maior confiança ao turismo do país, o estudo aponta, ainda, que há pontos a serem melhorados. Por exemplo, “problemas financeiros” são a principal razão para postergar uma viagem durante as férias. Com perguntas direcionadas a participantes entre 18 e 34 anos, 34 e 55 e 55 ou mais, a média para este item é superior a 48%. Opções como “afazeres pessoas” e “ir a lugares onde possa ficar com família e amigos” não chegaram a 30%.

Com 55% de viagens feitas com acompanhantes adultos ou casal, a pesquisa aponta que a confiança do turista aumento. Em 2014, 31% dos participantes planejaram viajar cada vez mais, enquanto 28% estudaram embarques de longa distância. Há dois anos, os índices chegaram a 26% e 24%, respectivamente.
Leia Também
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA