Orlando passa Miami como preferida do brasileiro em 2016

|

Divulgação/Orlando Eye
Coca-Cola Orlando Eye
Coca-Cola Orlando Eye
A queda de 24% no número de brasileiros que visitaram os Estados Unidos foi sentida nos destinos com maior fluxo de turistas. As baixas no top 3 de cidades visitadas foram suficientes para uma troca de posições, com Orlando assumindo a liderança do ranking. Miami e Nova York completam a lista, proveniente de um estudo anual realizado pelo Departamento de Comércio dos Estados Unidos.

De 2015 para 2016, os Estados Unidos tiveram 526 mil turistas brasileiros a menos. Decréscimo que afeta todo o mercado daquele país, mas principalmente as cidades com mais chegadas. Dentre os três destinos mais visitados (Orlando, Miami e Nova York), apenas a Big Apple teve queda inferior à taxa nacional.

Foram 64 mil visitantes a menos (ou -14,31%) em Nova York, que fechou 2016 com 383 mil turistas brasileiros. No ano anterior eram 447 mil. Com este resultado, a cidade mantém a terceira posição obtida em 2015.

O ranking foi alterado em suas primeiras posições, com Orlando assumindo o posto de Miami, líder em 2015. A terra dos parques temáticos teve queda acentuada, de 30,14% - em números totais, foram 258 mil brasileiros a menos, de 856 mil para 598 mil.

Dentre os líderes, ninguém caiu mais que Miami. Foram 383 mil brasileiros a menos, baixa de 43,5% em relação aos 880 mil turistas de 2015. A cidade da Flórida caiu para segunda posição ao fechar 2016 com 497 mil visitantes. Em share, Orlando teve 35,3% das chegadas; Miami, 29,33%; e Nova York, 22,64%.

POR ESTADOS

Uma análise mais ampla também foi realizada. Os Estados com o maior volume de visitantes brasileiros em 2016 manteve o histórico de resultados, com a líder Flórida (55,82% das viagens) perdendo espaço para a segunda colocada, Nova York (22,86%). Em 2015, o share foi de 62,73% e 20,41%, respectivamente.

A aproximação nos números se deu por uma queda de 32,11% no volume de visitas à Flórida (de 1,39 milhão para 945 mil), mais acentuada que a de Nova York, que foi de “somente” 14,56% (de 453 mil para 387 mil).
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA