Caribe pós-Irma: situação atualizada de ilhas e resorts

|

UNICEF ECA/ Connor
Escola destruída em Anguilla
Escola destruída em Anguilla
Diversas ilhas do Caribe foram devastadas após a passagem do furacão Irma, considerado o mais forte já visto no Oceano Atlântico até hoje. Governos locais decretaram estado de emergência e pediram que os moradores procurassem abrigo durante o fenômeno climático. O furacão de categoria 5, a mais alta da escala Saffir-Simpson, deixou mais de 40 mortos no Caribe.

ANGUILLA

Vários resorts foram danificados na ilha do nordeste caribenho e 90% do sistema de energia elétrica foi comprometido, de acordo com informações divulgadas pela Agência de Gerenciamento de Emergências e Desastres do Caribe. Após dias de caos e falta de água, alimentos e linhas de comunicação, o território agora recebe mão de obra e suprimentos do Reino Unido. O aeroporto Clayton Lloyd, na região centro-sul da ilha, abriu apenas para voos de emergência.

Segundo relatório do portal Travel Weekly, atualizado ontem (12), vários resorts começaram a reparar os danos e planejam novas aberturas. O Carimar Beach Club e o Ceblue Villas & Beach Resort iniciaram as limpezas e não têm datas de reabertura. O edifício e os jardins do Fountain Anguilla estão intactos, apesar dos detritos que atingiram as janelas.


O aubergue-resort Malliouhana sofreu poucos danos e deve reabrir após a limpeza geral. O futuro é incerto para o Cuisinart Golf Resort & Spa e Zemi Beach House. Já o Sunshine Shack foi completamente destruído e os donos prometeram reerguê-lo. A unidade do Four Seasons não sofreu nenhum dano e o novo resort-butique Quintessence vai inaugurar com atraso, em 1º de novembro.

ILHAS TURCAS E CAICOS
A Sandals Resorts fechou a sua unidade na região até o dia 14 de dezembro, devido aos danos provocados pelo Irma. Os hóspedes serão redistribuídos em resorts da Jamaica e outros do selo que estiverem com disponibilidade de reserva. Hotéis como o Alexandra Resort, Beach House TCI, Blue Haven, La Vele e Tuscany optaram por reavaliar as estruturas e abrir em meados de outubro.


Reabrirão em novembro o Gansevoort, Somerset, Royal West Indies, Club Med e Parrot Cay. Atualmente, estão em funcionamento o The Palms Resort, Shore Club e Seven Stars. Além disso, o Aeroporto Internacional de Providenciales opera voos regulares.

ST. THOMAS
Cerca de 70% da infraestrutura da ilha foi destruída e o furacão gerou estragos no Cyril E. King Airport. A Marriott International, que possui empreendimento em St. Thomas, criou na última segunda-feira (11) uma linha de recursos para ceder informações sobre os clientes que sofreram com os impactos.

CNN
Estragos em St. Thomas
Estragos em St. Thomas
Segundo nota oficial, a maioria dos hotéis da rede no Caribe estão abertos e outros, em áreas mais afastadas, receberão reforços para restaurar as operações. Para os clientes que reservaram diárias em hotéis da região, a taxa de cancelamento foi dispensada.

PALM BEACH

O condado sofreu, relativamente, menores danos em comparação a outras regiões da Flórida, nos Estados Unidos. O presidente e CEO do Discover The Palm Beaches, Jorge Pesquera, divulgou nota oficial em solidariedade às vítimas e afirmou que o local "está em um caminho constante para recuperar a normalidade". Ele ainda reforçou que no setor de Turismo o Estado é "uma família interligada" e, também, que membros da equipe estão coletando informações de hotéis e empreendimentos parceiros para ajudar na acomodação de pessoas que precisam de abrigo.

BAHAMAS
No arquipélago, o Breezes Bahamas Resort & Spa não sofreu danos com a passagem do Irma e está funcionando normalmente. O furacão também provocou um fenômeno natural que "secou" a água das praias de algumas ilhas no último fim de semana, mas o fluxo do mar já foi normalizado.


*Fonte: Travel Weekly e Travel Pulse

 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA