TURISMO

Pesquisa reúne dados sobre consumo do turista de luxo

O mercado de turismo de luxo cresceu em 2012. Especialmente na China e no Brasil. A constatação é da Pangaea Network, rede de consultores de turismo que realizou pesquisa com agências, operadoras e especialistas em turismo de luxo no Brasil e mais sete países, entre eles a China, o Reino Unido e a França. Entre os brasileiros entrevistados, 60% afirmaram que houve crescimento no setor em 2012.

Metade dos cerca de 800 entrevistados na pesquisa declarou que reserva mais de quatro viagens de luxo por ano para cada cliente, enquanto 33% possuem clientes que viajam entre duas e três vezes ao ano e apenas 16% vendem apenas uma viagem por cliente ao ano. A maior parte dos passageiros (69%) requisita pacotes completos, com hotel, transfers e tours. A pesquisa mapeou o perfil dos viajantes de luxo, com reservas realizadas na maioria por mulheres, para viagens em casal, com gastos entre cinco mil e dez mil euros por viagem. No Brasil, 61% dos entrevistados afirmaram que o valor agregado dos serviços é mais importante que o preço.

O estudo também revelou crescimento do interesse por pacotes sob medida e por exclusividade, qualidade e reputação do destino ou do hotel. A possibilidade de provar novos serviços, hotéis e destinos, incluindo viagens gastronômicas, é bastante popular entre os clientes. No Brasil, 48,7% dos entrevistados disseram que seus clientes procuram experiências gastronômicas, enquanto somente 15,4% dos entrevistados brasileiros têm spas como item dos mais importantes.

Para este ano, mais de 50% dos entrevistados brasileiros garantiram que a procura por viagens de luxo vai ser superior a 2012. No Reino Unido, esse percentual foi de 38%. Itália e Espanha foram os países mais pessimistas, com os profissionais de turismo afirmando que haverá redução no volume de viagens de luxo em 24%, no caso italiano, e 14%, no caso espanhol, neste ano. A Pangaea Network é representada no Brasil pela Spoke Relações Públicas desde 2010. Esta foi a terceira edição da pesquisa, que pela primeira vez entrevistou profissionais brasileiros.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA