Saída da Braztoa da WTM divide opinião dos associados

|

Divulgação
A informação de que a Braztoa não participará da WTM Latin America pegou parte do trade de surpresa hoje. Apesar disso, visto que a decisão foi tomada em conjunto com as operadoras associadas, o impacto da ausência do Encontro Comercial Braztoa na feira ainda é incerto. É possível que as empresas optem por ter estandes individuais ou apenas enviem representantes para o evento. O caminho está livre e as operadoras têm opiniões distintas acerca do assunto.

Jhonatan Soares
Ana Maria Berto, diretora da Orinter Tour & Travel
Ana Maria Berto, diretora da Orinter Tour & Travel
“A Orinter não participava da WTM com um estande dentro da Braztoa e, para a edição deste ano, manteremos a mesma estratégia: reuniões pré-agendadas com fornecedores e destinos tanto na feira como no nosso escritório em São Paulo”, explicou ao Portal PANROTAS a diretora da Orinter Tour & Travel, Ana Maria Berto.

Entretanto, há quem tenha participado das edições anteriores e, com a decisão tomada pela assembleia, agora estuda expor na feira. “A WTM Latin America é um evento muito importante para a indústria do Turismo. Neste sentido, estamos abertos e vamos estudar as propostas de participação”, pontuou a diretora da Schultz, Ana Santana.

Quem também avalia as possibilidades é a E-HTL. Segundo o diretor geral da operadora, Flávio Louro, a empresa cogita participar da WTM com o seu próprio estande — embora a decisão ainda não esteja confirmada. “Na questão do networking com fornecedores, é importante estar presente para manter a relação próxima que já temos com estes players”, avaliou.

Emerson Souza
Eby Piaskowy, diretora de Marketing da Queensberry
Eby Piaskowy, diretora de Marketing da Queensberry
Com um ponto de vista diferente dos demais, a Queensberry salientou que a decisão não deveria ter causado alarde ao trade. “As feiras não se diferenciam muito umas das outras em seus formatos e acabam por serem repetitivas. No momento, o nosso foco será na ILTM Latin America”, afirmou a diretora de Marketing da operadora, Eby Piaskowy. A ILTM, vale destacar, é organizada pela Reed Exhibitions, também dona do formato e da marca WTM. Portanto, a decisão da Queensberry deixa tudo "quase" em casa.

Porém, similarmente à Orinter, a estratégia de networking da operadora não deverá ser afetada com a saída da Braztoa. “Apesar da decisão não precisar gerar alardes, é momento das entidades repensarem em formatos de feiras que realmente contemplem todos os seus participantes e que não gerem situações como agora”, finaliza.

Já a CVC confirmou que terá salas de reuniões e espaço próprio na WTM Latin América, depois de dois anos fora de feiras por todo o País. Um pedido da área de Produtos da CVC Corp. Portanto, a maior operadora da América Latina estará sim na feira da Reed Exhibitions.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA