EMPRESAS

Privatizada, Cabo Verde Airlines apresenta novo CEO em SP

Antes estatal, a Cabo Verde Airlines teve 51% das suas ações compradas pela Icelandair no final de fevereiro e, dois meses depois, seu novo presidente e CEO desembarcou em São Paulo para se apresentar ao trade nacional. Em entrevista à PANROTAS, Jens Bjarnason contou sobre os planos da companhia aérea para os próximos anos, destacando o potencial de desenvolvimento do hub da Ilha do Sal, cerca de 600 quilômetros distante da costa africana.

Emerson Souza
Jens Bjarnason, novo presidente e CEO da Cabo Verde Airlines
Jens Bjarnason, novo presidente e CEO da Cabo Verde Airlines
“Nosso objetivo é desenvolver o Aeroporto Internacional do Sal como um ponto de ligação entre a América do Sul, a América do Norte, a África Ocidental e a Europa, uma vez que a ilha fica praticamente no centro entre os quatro continentes e permite que um único modelo de aeronave opere as rotas. Queremos tornar o hub ainda mais atrativo tanto para quem busca uma opção ágil de stopover como para quem busca descobrir as maravilhas do destino”, contou Bjarnason.

CONHEÇA AS CONEXÕES DA CABO VERDE AIRLINES

Com voos a partir de Fortaleza, Recife e Salvador, a Cabo Verde Airlines (antes conhecida como TACV) já permitia conexões internacionais em com diversos países e estreará rotas e voos diários a partir de julho. Com a Cabo Verde Airlines será possível viajar a:
- Paris (França);
- Lisboa (Portugal);
- Boston (EUA);
- Dakar (Senegal);
- Washington (EUA) - novo;
- Lagos (Nigéria) - novo;
- Luanda (Angola) - novo;
- Milão e Roma (Itália) - novo.


conexões a cidades como Paris (França), Lisboa (Portugal), Boston (EUA) e Dakar (Senegal), e estreará novas rotas com destino a Washington (EUA), Lagos (Nigéria), Luanda (Angola), Milão e Roma (Itália). A partir de julho, a capital portuguesa receberá voos diários da companhia.

“Queremos deixar claro para o mercado brasileiro que Cabo Verde é um destino especial e único que pode ser melhor explorado pelo Turismo, até mesmo pela facilidade da língua, que também é a portuguesa. Temos produtos e tarifas competitivas para garantir que o viajante do País tenha novas oportunidades para conhecer não só a ilha, como os Estados Unidos, a Europa e a África com apenas uma parada rápida no nosso hub, que não impõe burocracias a quem o utiliza”, completou o diretor de Assuntos Corporativos da aérea, Mario Chaves.

Emerson Souza
Marcelo Kaiser, da Aviareps, com Jens Bjarnason e Mario Chaves, da Cabo Verde Airlines
Marcelo Kaiser, da Aviareps, com Jens Bjarnason e Mario Chaves, da Cabo Verde Airlines
“O investimento em hubs é uma tendência da aviação global e temos exemplos bem-sucedidos disso no Panamá, em Istambul (Turquia), em Dubai (Emirados Árabes Unidos) e na própria Islândia, cada um com seu tamanho e magnitude de operações. Vamos ajudar no desenvolvimento da infraestrutura do aeroporto da Ilha do Sal e na economia do país como um todo. Nosso objetivo é seguir crescendo de maneira sustentável, mantendo o modelo de negócios de sucesso da Icelandair”, contou Bjarnason.

Com larga experiência na aviação, o novo CEO começou a trabalhar na companhia aérea islandesa em 1984 como engenheiro de Estrutura, passando a diretor de Operações de Voos, vice-presidente de Operações Técnicas e vice-presidente de Assuntos Corporativos. Ao longo da sua trajetória profissional, também atuou como diretor de Segurança da Autoridade Civil da Islândia e diretor de Operações da Iata, em Montreal, no Canadá.

Atualmente, a Cabo Verde Airlines conta com três Boeing 757 em sua frota, com o quarto previsto para ser entregue nos próximos meses. Nesta segunda-feira, inclusive, a primeira aeronave estilizada com uma nova pintura foi entregue, porém, as imagens ainda não foram divulgadas. A Aviareps representa a companhia aérea no Brasil.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA