EMPRESAS

SAA: recuperação judicial é diferente na África do Sul


Divulgação
SAA aponta que o termo
SAA aponta que o termo "recuperação judicial" é equivocado para sua situação
A South African Airways esclarece que o conceito de "recuperação judicial" como é conhecido no Brasil é diferente do procedimento de "business rescue" ao qual deu início ontem. Para o escritório da SAA no Brasil, o termo pode causar confusão com o mercado, pois as legislações do nosso país e da África do Sul são diferentes. É por isso que a companhia utilizará, em suas comunicações, apenas "business rescue", como explica no comunicado oficial a seguir.

CONFIRA NA ÍNTEGRA O COMUNICADO DA SAA:

"Como parte do nosso compromisso em mantê-los informados e colocar as coisas em perspectiva sobre nossa atual situação, informamos que de acordo com o Capítulo 6 da Lei das Empresas de 2008 (Lei 71 de 2008), foi dado início aos procedimentos de business rescue em 5 de dezembro de 2019, sendo essa a opção mais viável para a sustentabilidade da empresa no momento.

A comissão responsável registrou o pedido de nomeação de Les Matuson, da Matuson Associates, como administrador responsável pelo processo de restruturação.

Não temos nenhuma alteração na programação até o momento, sendo assim as operações seguem normais e caso necessário a SAA entrará em contato com os passageiros de forma pro ativa.

O termo ‘Recuperação Judicial’ não será utilizado em nossas comunicações, pois o conceito é muito diferente nos dois países e temos todo apoio do governo sul-africano, o que nos coloca numa situação diferente de outros casos que envolveram recuperação judicial no Brasil. A restruturação, que chamamos internamente de Long Term Turnaround Plan, já estava em andamento e o business rescue acabará acelerando esse processo.

A mensagem que recebemos do escritório na África do Sul foi otimista e o anúncio foi recebido como uma boa notícia.

Reforçamos que nossos canais de comunicação estão abertos para eventuais dúvidas e agradecemos o apoio e compromisso de sempre."
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA