Azul Conecta, aérea regional da Azul, é lançada em Jundiaí

|


Divulgação

A Azul Conecta, nova companhia regional da Azul, foi oficialmente lançada em Jundiaí (SP), nesta terça-feira. Com 14 aeronaves Cesna Gran Caravan para nove passageiros, além de três cargueiros da mesma fabricante, a Azul Conecta é fruto da compra da TwoFlex, concretizada em maio, por R$ 123 milhões. A Azul Conecta começa com atuação em 36 destinos brasileiros. Ainda com a estampa da TwoFlex, os monomotores da Azul Conecta já voaram 3256 horas entre maio e junho, o que corresponde a 55 horas de voo por dia da frota que está em operação.

Com a subsidiária, a Azul Linhas Aéreas pretende alcançar mais de 200 destinos no Brasil. Antes da pandemia, a aérea atendia cerca de 110 cidades nacionais e detinha a liderança em alcance no País. A Azul Conecta também representa ganho de slots em Congonhas, pelos quais a Azul Linhas Aéreas tanto batalhou no ano passado. Isso porque a TwoFlex contava com 14 slots no aeroporto central paulistano. Acima de tudo, a intenção da Azul Conecta é auxiliar a malha já numerosa da Azul Linhas Aéreas. Vale ressaltar que Jundiaí é vizinha a Campinas (SP), onde está o aeroporto de Viracopos, o hub central da Azul.

A pluralidade da frota da Azul é um dos maiores trunfos da companhia, e a Azul Conecta vem para reforçar o que já é diverso. "Essa é a fortaleza da Azul. Nossa frota com aeronaves pequenas, médias, grandes e 'super grandes'. Assim será a retomada do País, utilizando as pequenas para as cidades pequenas, as médias para as médias, e assim por diante", afirmou o bem humorado presidente da Azul neste lançamento oficial, John Rodgerson, procurando injetar ânimo aos presentes. "Sei que todos estão tristes com tudo o que está acontecendo no mundo, mas isso vai acabar e precisamos olhar para o futuro e em como o Brasil vai crescer. Com essas aeronaves vamos transformar o País mais uma vez, chegar a mais 200 destinos", completou.

O secretário Nacional de Aviação Civil, Ronei Glanzmann, também presente no lançamento, endossou a importância da aviação regional ao País ao dizer que essa é a maior prioridade de sua secretaria.

"O principal ponto da nossa agenda é regional. O Brasil tem mais de cinco mil municípios e tem grandes dificuldades em conexão aérea. No Sudeste, com os melhores terminais brasileiros, isso não é tão sentido, mas há cidades da Amazônia, no Centro-Oeste e no Nordeste que não tem infraestrutura para aeronaves de médio e grande portes, e sabemos que chegar com esses modelos que a Azul Conecta opera é fundamental para o desenvolvimento do País", afirma. "Antes da pandemia, cerca de 180 municípios eram alcançados via aérea. Azul Conecta é muito bem-vinda para ampliarmos essa quantidade."

“A Azul Conecta nasce da vocação regional da Azul e da TwoFlex que, separadamente, já estavam levando o serviço aéreo para novas e diversas partes do Brasil. Agora, estamos unindo a força das empresas para, especialmente neste momento de flexibilização e retomada, direcionar o transporte aéreo e cargueiro a lugares que não estão sendo servidos hoje em função da pandemia ou a cidades potenciais que não contam com a operação aérea. Queremos atingir a marca histórica de 200 cidades servidas no país nos próximos anos”, ressalta o vice-presidente Técnico-Operacional da Azul, Flávio Costa.

LUIZ EDUARDO FALCO

Nome conhecido no Turismo brasileiro, o ex-vice-presidente da Tam e também ex-presidente da CVC Corp, Luiz Eduardo Falco, era um dos três sócios da TwoFlex, ao lado de Rui Thomaz de Aquino também ex-Tam e dono da antiga Flex, e Anderson Davo, da antiga Two.

Falco esteve na cerimônia de abertura em Jundiaí (SP) e ganhou os cumprimentos do presidente, do VP e o secretário de aviação civil.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA