Aviação dos Estados Unidos sofre com escassez de pilotos

|

Unsplash/Jon Flobrant
A pandemia exacerbou a escassez de pilotos nos EUA ao desacelerar treinamento e contratação
A pandemia exacerbou a escassez de pilotos nos EUA ao desacelerar treinamento e contratação
Os Estados Unidos estão enfrentando sua pior escassez de pilotos na história recente, forçando as companhias aéreas a cortar voos no momento em que os viajantes retornam após mais de dois anos da pandemia de covid-19. De acordo com matéria da NBC, a pandemia exacerbou a escassez de pilotos ao desacelerar o treinamento e a contratação de novos profissionais, ao mesmo tempo em que criou uma onda de aposentadorias antecipadas.

A crise tem a indústria lutando por soluções. Está sendo considerada, por exemplo, uma legislação que poderia aumentar a idade de aposentadoria exigida pelo governo federal para pilotos de avião de 65 para 67 anos ou mais para estender o tempo dos aviadores nos céus.

Uma companhia aérea regional propôs reduzir os requisitos de horas de voo antes de ingressar em uma companhia aérea dos EUA, e as aéreas estão repensando os programas de treinamento para reduzir a barreira à entrada. No início deste ano, a Delta juntou-se a outras grandes operadoras ao retirar um diploma de quatro anos de seus requisitos de contratação de pilotos.

Várias transportadoras dos EUA, incluindo a Frontier, estão recrutando alguns pilotos da Austrália. A American Airlines está vendendo passagens de ônibus para algumas rotas curtas. Mas alguns executivos de companhias aéreas alertam que a escassez pode levar anos para ser resolvida.

“A escassez de pilotos para o setor é real, e a maioria das companhias aéreas simplesmente não conseguirá realizar seus planos de capacidade porque simplesmente não há pilotos suficientes, pelo menos não nos próximos cinco anos”, disse Scott Kirby, CEO da United Airlines, em uma teleconferência de resultados trimestrais em abril. Kirby estimou que as companhias aéreas regionais com as quais a United trabalha atualmente têm cerca de 150 aviões parados devido à falta de pilotos.

RAÍZES DA CRISE

A pandemia interrompeu a contratação de pilotos à medida que o treinamento e o licenciamento diminuíam. As companhias aéreas distribuíram pacotes de aposentadoria antecipada para milhares de pilotos e outros funcionários com o objetivo de reduzir as contas trabalhistas quando a demanda por viagens caiu durante as profundezas da crise.

Agora as aéreas estão desesperadas para contratar e treinar pilotos, mas a pressa pode demorar muito para evitar cortes de voos. As principais companhias dos EUA estão tentando contratar mais de 12 mil pilotos combinados somente este ano, mais que o dobro do recorde anterior de contratação anual, de acordo com Kit Darby, consultor de remuneração de pilotos e capitão aposentado da United.

A escassez é particularmente aguda nas transportadoras regionais que alimentam os hubs das principais companhias aéreas de cidades menores. Embora os bônus de contratação e retenção tenham retornado nessas empresas, o salário é menor lá do que nas principais, e elas estão recrutando agressivamente dessas companhias menores.

O Mesa Air Group, com sede em Phoenix, que voa para a American e a United, perdeu quase US$ 43 milhões no último trimestre com o aumento dos cortes de voos. “Nós nunca imaginamos níveis de atrito como esse. Se não pilotamos nossos aviões, perdemos dinheiro. Você viu nossos números trimestrais”, disse Jonathan Ornstein, CEO da Mesa.

A Mesa leva cerca de 120 dias para substituir um piloto que avisa com duas semanas de antecedência para ir para outra companhia aérea, de acordo com Ornstein. “Poderíamos usar 200 pilotos agora”, disse ele.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA