Cia. aérea Viva (Colômbia) estreia no Brasil com preços e 'liberdade'

|


Divulgação/Viva
Estratégia da Viva no Brasil será atacar com preços e liberdade ao viajante
Estratégia da Viva no Brasil será atacar com preços e liberdade ao viajante
A ultra low cost colombiana Viva estreou hoje no Brasil (Aeroporto de Guarulhos) com a promessa de voos com preços até US$ 300 mais baixos do que a média do mercado. A empresa com hub em Medelín voa para 13 rotas internacionais, dentre as quais Miami, Punta Cana, Cancun, Cidade do México; e destinos de praia colombianos como: Cartagena, Santa Marta e San Andrés. Ao todos são 13 rotas internacionais.

A Viva tem uma frota padronizada de 23 unidades de A320neo, com capacidade para 188 passageiros. As aeronaves chegam por volta das 4h d decolam de São Paulo por volta das 5h da manhã, em cerca de seis horas de voos até Medelín, onde as conexões são extremamente rápidas, garante o vice-presidente de Operações da Viva, Francisco Lalinde.

O executivo conta que a estratégia da empresa no Brasil será atacar com preços e liberdade ao viajante. "O passageiro compra o que precisa. Ele pode optar por uma tarifa básica, somente com bagagem de mão ou a tarifa que inclui despacho de bagagens, seleção de assentos e alimentação a bordo. O cliente é quem define o que precisa para que sua viagem seja feita de acordo com seu bolso e sua necessidade. O agente de viagens poderá vender todas as tarifas e seus produtos auxiliares", explica Lalinde.

Divulgação/Viva

"O serviço a bordo das companhias tradicionais não é gratuito, está incluído na tarifa. Nós damos ao cliente a liberdade de pode embarcar sem ou com refeições quentes, sanduíches e bebidas alcóolicas adquiridas antes do embarque, o que vai impactar na tarifa final. Nossa recomendação é que o cliente não deixe para comprar de última hora, no balcão, onde os preços chegam a ser 60% mais altos. Recomendamos que o agente de viagens diga isso a seu passageiro ou que o próprio cliente acesse nosso site."

Neste início de operação no Brasil, a Viva tem a missão de educar o viajante local sobre o modelo ultra low cost, esclarecendo que não há pegadinhas. Ser claro em toda a jornada de compra, nesse sentido, é crucial para que não haja constrangimentos.

Divulgação/Viva
Francisco Lalinde, VP de Operações da Viva
Francisco Lalinde, VP de Operações da Viva
O vice-presidente de Operações da Viva está otimista em relação à atuação da companhia aérea colombiana no Brasil, ainda que o País ofereça um dos cenários mais desafiadores da aviação global, devido aos altos custos operacionais.

"Fomos a primeira aérea de baixo custo da Colômbia, há dez anos. Somos pioneiros e transformamos a mobilidade em nosso país de origem. Temos experiência com o modelo e analisamos profundamente os mercados para os quais voamos. Nossa frota é única, a utilização de nossos ativos é otimizada, também fazemos uma boa gestão de nosso quadro de tripulantes. Tudo isso reflete nos preços, e o viajante brasileiro é muito sensível a preços."

GRUPO ABRA
Recentemente, a Avianca anunciou a compra da Viva para, poucos dias depois, ser criado o Grupo Abra, o qual envolve também a brasileira Gol. Sobre o tema, Francisco Lalinde diz que ainda não pode comentar, pois "as autoridades competentes ainda não aprovaram o negócio, portanto no momento somos concorrentes da Avianca, de maneira que não posso falar a respeito".

EXPERIÊNCIA DE VOO
Os Airbus da Viva não oferecem entretenimento integrado a bordo, e a companhia aérea encoraja os viajantes a baixar músicas, filmes e leituras em seus próprios dispositivos, contando inclusive com parceria com plataformas a exemplo de Spotify para facilitar o processo.

Um trânsito rápido em Medelín é um diferencial importante na experiência de voo, segundo o executivo. "É um aeroporto que permite conexões práticas, com tempo médio de conexão de 50 min a uma hora para destinos do Norte e de pouco mais de uma hora na volta. Temos acordo com o aeroporto de Medelín para acelerar os procedimentos, e o viajante não tem de passar em processo de alfândega e imigração, bastando fazer raio x e fazer a conexão de portão a portão.

Neste início de trabalho no Brasil, a Viva acredita que o viajante de lazer será seu público principal. Nos voos de estreia, as aeronaves voaram com mais de 90% de ocupação.

REPRESENTAÇÃO DA AVIAREPS
A Viva é representada no Brasil pela Aviareps. Contato:
Nádia Kardouss - Aviation Sales Manager
Telefone: (11) 3106-2386 / Celular: (11) 981472376
email: nkardouss@aviareps.com

PREÇO E DETALHES
Tíquetes: São Paulo - Medelín a partir de US$ 129 ida ou US$ 269 ida e volta.

Frequências semanais: terça, quinta e domingo.

Passageiros no primeiro ano de operação: 50 mil passageiros por ano.


Divulgação/Viva

 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA