Malha aérea doméstica encolhe para 36,8% da oferta pré-crise

|


PANROTAS / Emerson Souza
Este é o terceiro mês consecutivo de encolhimento da malha aérea doméstica
Este é o terceiro mês consecutivo de encolhimento da malha aérea doméstica
Em abril, a malha aérea doméstica recuou para 36,8% da oferta de voos no início de março de 2020, antes das medidas de isolamento social e de fechamento de fronteiras por causa da pandemia de covid-19. Atualmente, as empresas aéreas nacionais registram uma média de 882 partidas diárias, número muito próximo ao que se verificava em setembro do ano passado, quando havia 864 decolagens por dia, ou 36% da oferta regular. Os dados são da Abear.

Este é o terceiro mês consecutivo de encolhimento da malha aérea doméstica, após as companhias aéreas terem registrado, desde maio de 2020, uma retomada gradual da operação, alcançando o pico de 1.798 decolagens diárias em janeiro ou 75% da oferta diária de partidas em relação ao início de março de 2020. O agravamento da pandemia já havia impactado a quantidade de voos em fevereiro, quando a média diária recuou para 1.469, o que equivale a 61,2% da malha aérea pré-crise. Em março, a oferta diária de voos domésticos teve novo recuo, com 1.177 decolagens, ou 49% da oferta regular de voos.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA