Aviação, operadoras e mice têm novo protocolo global de saúde

|

O Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC, na sigla em inglês) acaba de divulgar a segunda fase de medidas para restaurar a confiança do consumidor global e incentivar o retorno das viagens seguras. Os protocolos mais recentes são desenhados para permitir que indústrias, como operadores turísticos e centros de convenções, reuniões e eventos, voltem a prosperar, assim como aeroportos e transportadoras. Na semana passada, o WTTC lançou os protocolos Safe Travels para hotelaria e estabelecimentos comerciais.

Novos protocolos do WTTC são para aviação, operadores de Turismo e locais de eventos
Novos protocolos do WTTC são para aviação, operadores de Turismo e locais de eventos
O bem-estar dos viajantes e as milhões de pessoas empregadas em todo o setor de viagens e Turismo estão no centro deste novo pacote, que também fornece consistência para destinos e países, bem como orientação para provedores de viagens, companhias aéreas, aeroportos, operadoras e viajantes sobre a nova abordagem de saúde e higiene no mundo pós-covid-19.

“Os protocolos de aviação do WTTC foram criados em estreita colaboração com a ACI e a Iata. Já as medidas que contribuíram para definir a nova experiência por meio de operadoras de Turismo e de visita a locais de eventos novamente foi definida na coordenação de especialistas desse segmento, por meio de medidas globais robustas que foram adotadas por empresas em todo o mundo”, afirma a presidente e CEO da entidade, Gloria Guevara.

PROTOCOLOS
Discussões detalhadas foram realizadas com as principais partes interessadas e organizações para garantir o máximo de adesão, alinhamento e implementação prática para definir expectativas claras do que os viajantes podem esperar durante seus próximos voos no “novo normal”.

A nova orientação é baseada em quatro pilares, incluindo preparação operacional e de pessoal; garantir uma experiência segura; reconstruindo a confiança; inovação; e implementação de políticas facilitadoras. Veja a seguir os protocolos:

AEROPORTOS
  • Limpeza aprimorada, incluindo equipamentos de autoatendimento, carrinhos de bagagem, balcões, buggies, pontos de verificação de segurança, banheiros, elevadores, corrimãos, áreas de embarque e áreas comuns com foco específico em pontos de contato de alta frequência
  • Fornecer equipamentos de proteção individual (EPI) aos funcionários, como máscaras
  • Novas sinalizações e anúncios para limitar a interação e as filas nos pontos de contato
  • Possível avaliação de risco à saúde antes da chegada para evitar atrasos
  • Reduzir os pontos de contato dos passageiros por meio do check-in on-line antes da partida, uso de auto-check-in em quiosques e entrega de malas, etiquetas impressas em casa, maior uso de portas eletrônicas biométricas e leitura de cartões de embarque nos portões
  • Se a triagem de entrada e saída for obrigatória, ela deve ser realizada de maneira não invasiva, através de scanners de infravermelho de corpo inteiro, usando termômetros infravermelhos portáteis e termômetros de pistola auricular
  • Maior segurança e higiene alimentar em restaurantes, com alimentos pré-embalados para evitar o manuseio de alimentos em buffets
  • Possível reformulação dos salões de imigração em conjunto com governos e companhias aéreas para acelerar os procedimentos
  • Onde as declarações são necessárias na chegada, opções eletrônicas devem ser usadas para minimizar o contato; idealmente usando processos sem contato

COMPANHIAS AÉREAS
  • Fornecer equipamentos de proteção individual (EPI) a funcionários, como máscaras
  • Reduzir os pontos de contato dos passageiros por meio do check-in on-line antes da partida, uso de auto-check-in em quiosques e entrega de malas, etiquetas impressas em casa, maior uso de portas eletrônicas biométricas e leitura de cartões de embarque nos portões
  • Fornecer desinfetantes/álcool gel para as mãos aprovados, conforme apropriado, com base em áreas de alto tráfego, como áreas de check-in e embarque
  • Orientação revisitada para equipes de limpeza em todas as áreas do avião, incluindo banheiros, bem como áreas de check-in e embarque, com foco específico em pontos de contato de alta frequência
  • Considerar o embarque da parte traseira do avião para a frente, da janela para o corredor
  • Limitar o movimento na cabine o máximo possível
  • Treinar novamente a equipe e a equipe da linha de frente em relação às medidas de controle e higiene

OPERADORES TURÍSTICOS
  • Práticas aprimoradas de saneamento, desinfecção e limpeza profunda para ônibus e outros veículos
  • Limpeza focada em pontos de contato de alta frequência, incluindo corrimãos, maçanetas, mesas, banheiros a bordo, filtros de ar condicionado, armários suspensos e fones de ouvido
  • Planos de assentos pré-alocados sem rotação
  • Limitar o contato físico e as filas sempre que possível
  • Explorar horários escalonados para acesso a locais, hotéis e restaurantes, entre outros
  • Protocolos de saúde, saneamento, desinfecção e higiene e segurança alimentar em restaurantes parceiros
  • Estabelecer com parceiros e fornecedores, incluindo lojas, showrooms, locais de degustação, museus, teatros, salas de concerto, fábricas e fazendas, que sigam os protocolos

CENTROS DE CONVENÇÕES, EVENTOS E REUNIÕES
  • Implementar um distanciamento físico para a distribuição de assentos e corredores, utilizando orientação do governo, se disponível. Criar suporte visual para mostrar a intenção, conforme apropriado
  • Reduzir os limites de capacidade do local para os participantes, conforme apropriado e exigido pela legislação local
  • Distinguir entre diferentes áreas de risco no local
  • Considerar o questionário de avaliação de risco antes da chegada para os participantes
  • Limitar a interação física e possível enfileiramento na recepção e área de entrada, usando registro antecipado para aprimorar o fluxo de participantes
  • Criar unidades de isolamento fora do local sempre que possível para aqueles que apresentam sintomas de covid-19
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA