Prefeitura do Rio de Janeiro prorroga medidas restritivas

|

DA AGÊNCIA BRASIL

A prefeitura do Rio de Janeiro prorrogou por mais sete dias as medidas restritivas impostas no dia 11 de maio para conter o contágio pelo novo coronavírus. Com isso, permanece a interdição nos centros comerciais, a proibição de estacionar na orla e o fechamento do comércio, com exceção de supermercados e farmácias. Apesar da prorrogação das medidas, o prefeito Marcelo Crivella afirmou que a situação da pandemia na cidade começa a melhorar, mas ainda não o suficiente para retomar as atividades normais.

Unsplash
turismo rio de janeiro
turismo rio de janeiro
“As curvas que medem a velocidade de contaminação da doença na cidade caíram, eram 0,04, subiram para 0,06 e agora estão em 0,039. Nosso objetivo é que chegue a 0, mas chegando a 0,01 e havendo leitos disponíveis na rede privada e pública, a perspectiva é que a gente possa retornar às atividades normais”, disse o prefeito.

Segundo especialistas, a queda na velocidade de contágio mostra que as medidas de isolamento na cidade têm surtido efeito. De acordo com a secretária municipal de Saúde, Ana Beatriz Busch, 70% dos leitos previstos pela prefeitura para atender pacientes de covid-19 já foram abertos e até a próxima semana estarão 100% em funcionamento, com a chegada de equipamentos.

Ana Beatriz destacou que, com a totalidade dos leitos no Hospital de Campanha do Riocentro e do Ronaldo Gazzola, em Acari, além dos leitos nos demais hospitais de campanha do estado, que serão entregues até a próxima semana, será possível atender aos cerca de 700 pacientes que aguardam a transferência para um hospital de referência para covid-19.

“As pessoas que estão aguardando uma vaga estão todas em leitos nas UPAs e CERs. A fila passava de mil, e agora observamos um número próximo de 700. Isso significa que já há um resultado dessa abertura de leitos para diminuir a saturação da rede", disse a secretaria.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA