Brasileiros terão de fazer cadastro para viajar em países da Europa

|

Pixabay
A Comissão Europeia aprovou a criação do Sistema Europeu de Informação e Autorização de Viagem, (Etias) na última semana. Esse novo modelo automatizado aumenta o controle das fronteiras de viajantes que desejam visitar a zona Schengen como forma de combater a crise migratória que assola a região.

A medida será implementada a partir de 2020 e inclui países isentos de visto até então, como o Brasil e demais representantes da América Latina. O sistema é válido para viajantes de lazer e de negócios que vão ficar por um período abaixo de 90 dias.

“Precisamos saber quem está cruzando nossas fronteiras. Esse novo sistema, uma vez em operação, realizará a triagem pré-viagem para os riscos de segurança e migração dos viajantes que beneficiam de acesso sem necessidade de visto ao espaço Schengen”, destacou o órgão, em nota.

O Etias auxilia a identificar qualquer pessoa que eventualmente represente um risco de segurança ou migração antes de chegar à fronteira da União europeia, explica o órgão. Ainda de acordo com a Comissão Europeia, o processo para obter a autorização será “acessível, simples e rápido”.

O processo de envio de dados e informações pessoais será realizado pela internet e terá um custo de sete euros por pessoa – cerca de R$ 30, com validade de três anos.

A proposta do Etias foi lançada em 2016, época de eclosão da entrada ilegal de imigrantes pelas fronteiras de países como Itália, França e Grécia. À época, a Comissão Europeia disse não se tratar de um visto, mas sim de um “regime mais leve e amigável para os viajantes”.

Para mais informações, clique aqui e acesse o site em português.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA