Foco do 1º Six Senses no Brasil está nas experiências

|

Divulgação
Six Senses Botanique, em Campos do Jordão (SP)
Six Senses Botanique, em Campos do Jordão (SP)
Em janeiro de 2021, o Hotel Botanique, na Serra da Mantiqueira (SP), passará a operar sob a marca Six Senses, tornando-se o primeiro no Brasil. O americano Dominic Scoles assumiu a gerência geral do Six Senses Botanique, e para ele "a fusão entre Six Senses e o Botanique na verdade é um belo relacionamento, até por isso decidimos manter o nome do hotel. Não há muito o que ser mudado."

Com mais de 23 anos de experiência, incluindo mais de 14 anos em funções de gerenciamento sênior como gerente geral de hotel e gerente de resort, Dominic acumula cargos de liderança em seis propriedades em cinco países diferentes: Estados Unidos, México, Turks & Caicos, Maldivas e Vietnã. Já no Brasil, o profissional apostará em uma visão de hospitalidade de dentro para fora, com foco no bem-estar de sua equipe, e que resultam em serviços dedicados a oferecer experiências de hospitalidade únicas e personalizadas.

Em conversa com o Portal PANROTAS, Dominic Scoles afirmou que está impressionado com as belezas naturais e a hospitalidade brasileira, e compartilhou o foco, o diferencial e os próximos passos do Six Senses Botanique. Confira abaixo.

Divulgação
Dominic Scoles, gerente geral do Six Senses Botanique
Dominic Scoles, gerente geral do Six Senses Botanique
PORTAL PANROTAS - O que o hotel trará de novo para a hotelaria nacional?
DOMINIC SCOLES - Nosso principal diferencial é a paz da reconexão como forma de luxo. Nós realmente acreditamos em experiências, em encontros com produtores locais, expor nossos hóspedes a experiências interativas, como compreender de onde vem o leite que eles estão consumindo, assim como elevar o componente de bem-estar, incluindo experiências detox. Os quartos são fantásticos, claro, mas nosso foco está nas experiências.

PP - Qual é a visão de luxo da rede e como esta visão será aplicada no País?
SCOLES - Luxo para o Six Senses é sobre reconectar com você mesmo, com os outros, e com o mundo ao seu redor, com a natureza. Eu realmente acredito que o que há de mais luxuoso na vida é o tempo, porque nada pode trazê-lo de volta. Six Senses e o Botanique se alinharam em uma evolução natural, e será uma continuação do trabalho de Fernanda e Ricardo (Semler). Nosso foco é continuar evoluindo a experiência de bem-estar no Botanique.

PP - A propriedade passará por alguma reforma?
SCOLES - Sim, em algumas fases. A primeira fase está focada na transição de experiências e em sustentabilidade, vamos reduzir o uso de plástico e transicionar para o vidro e realizar reciclagem e compostagem na propriedade. Em relação às experiências, está o spa e também a alimentação, em que estamos trabalhando com produtores locais para permanecer o mais sustentável possível. As renovações mais estruturais, como a do spa e a nova academia, começarão no início de 2021, para só então renovarmos os restaurantes e construirmos novos quartos.

PP - O que mais o encanta na nova propriedade?
SCOLES - Honestamente, é a cultura de produção local e artesanato. Todos aqui estão fazendo suas artes, seja plantando frutas, fazendo doce de leite ou produzindo cerveja artesanal. Tudo aqui é feito com carinho e respeito ao que a natureza oferece. É um ótimo ambiente para estar, me faz querer ser uma pessoa melhor. Todos são artistas aqui, é um lugar inspirador.

PP - Como o agente de viagens deve vender o novo Six Senses?
SCOLES - A melhor parte do Six Senses Botanique é que o hotel é o próprio destino. É uma verdadeira experiência brasileira e também da Serra da Mantiqueira. Algo que os agentes devem entender ao vender, é que há outras marcas de hotel que você visita e você não sabe em que lugar do mundo você está, porque a marca vem antes da localidade. Mas no Six Senses Botanique, os hóspedes estarão na Serra da Mantiqueira.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA