CONSOLIDADORAS

Ancoradouro se une à PVT em Minas, Bahia e Pernambuco


Juarez Cintra e Celso Picchioni no comunicado feito nas redes sociais do Grupo Ancoradouro
Juarez Cintra e Celso Picchioni no comunicado feito nas redes sociais do Grupo Ancoradouro
O Grupo Ancoradouro, dono da Ancoradouro Consolidadora, com sede em Campinas, e o Grupo Picchioni, dono da PVT Consolidadora e baseado em Belo Horizonte, anunciaram agora à noite uma parceria comercial, pela qual se tornam sócios no negócio da consolidação para os mercados de Minas Gerais, Bahia e Pernambuco. A gestão do negócio fica com o time da Ancoradouro, liderado por Juarez Neto, CEO, e Cássio Oliveira, vice-presidente, com concentração de emissões, back-office e toda a administração em Campinas.

Segundo o comunicado, trata-se de uma aliança estratégica comercial e operacional, para esses três mercados, com o objetivo de "ser a melhor opção para as agências de viagens".

O negócio da consolidação no Grupo Picchioni foi de R$ R$ 248 milhões no ano passado (outros R$ 292 milhões vieram das operações de câmbio do grupo, que tem negócios fora do Turismo também). Já o Grupo Ancoradouro movimentou R$ 825 milhões em 2018, incluindo consolidação e a operadora Mondiale. A meta do grupo de Campinas é bater a marca de R$ 1 bilhão este ano.

Mais detalhes serão anunciados em breve, mas esses três mercados ainda não tinham atuação da Ancoradouro e, portanto, não haverá sobreposição de clientes. A marca PVT by Ancoradouro será usada nesses três Estados (Pernambuco, MInas Gerais e Bahia).

Segundo o relatório Smash, de venda de bilhetes aéreos internacionais, em 2018 a PVT foi a consolidadora que mais comercializou passagens internacionais em Minas Gerais, e a Ancoradouro ficou com a quinta colocação em São Paulo. A PVT e a Ancoradouro já faziam parte da empresa e-Fácil Plus, que também conta com a BRT, do Paraná.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA