Karina Cedeño   |   17/08/2023 12:10   |   Atualizada em 17/08/2023 18:25

Ancoradouro registra 300 mil bilhetes aéreos emitidos no 1º semestre

De acordo com a consolidadora, volume contribuiu significativamente para os bons resultados obtidos


PANROTAS / Emerson Souza
O diretor de Vendas da Ancoradouro, Roberto Garbin, e o diretor comercial, Daniel Castanho
O diretor de Vendas da Ancoradouro, Roberto Garbin, e o diretor comercial, Daniel Castanho

CAMPINAS (SP) – A Ancoradouro emitiu, no primeiro semestre deste ano, 300 mil bilhetes aéreos. “Foram 180 mil bilhetes nacionais e 120 mil internacionais”, conta o diretor comercial da consolidadora, Daniel Castanho. O volume contribuiu significativamente para os bons resultados obtidos no primeiro semestre do ano, que devem se manter até o final de 2023.

“Esse volume de vendas foi fundamental para os resultados obtidos e a expectativa é ter um segundo semestre igual ao primeiro, que foi excelente, considerando a tarifa média menor e o aumento da oferta", destaca Castanho.

Agente com A Gente em Campinas

A Ancoradouro promove hoje (17) mais uma edição do Agente com A Gente, realizada na sede da empresa, em Campinas (SP). Participam do evento 85 agentes de viagens do Rio de Janeiro e da região de São José dos Campos.

“O Rio de Janeiro é um mercado que para nós tem sido uma grata surpresa nos últimos anos. Estamos tendo um bom crescimento lá e sentimos que a Ancoradouro é hoje um dos consolidadores mais bem estabelecidos neste mercado, graças à equipe competente que temos na filial do Rio, com o Marcelo Cruz e Solange Ferreira. Conseguimos nos adaptar ao estilo do mercado do Rio, mas dentro da nossa cultura, e está funcionando muito bem. Além disso, o Rio hoje é o melhor per capita do Brasil para nós”, destaca o diretor de Vendas da Ancoradouro, Roberto Garbin.

"Já o mercado de São José dos Campos é diferente e onde atuamos desde o início da Ancoradouro. Tivemos uma adaptação depois da pandemia, deixamos de ter o escritório físico por lá e muitos acharam que isso poderia ser um problema, mas vimos que não, pois conseguimos melhorar o atendimento daquela região, trazendo para a matriz. Temos uma equipe maior, com profissionais mais qualificados e as vendas cresceram bastante na região. É um mercado muito relevante para nós, considerando que temos nossa maior força no interior do Estado de São Paulo, com destaque para o corporativo", complementa Castanho.

De acordo com os executivos, o tíquete médio do Rio de Janeiro e de São Paulo chega a ser 40% maior do que o do interior de São Paulo. "O tíquete médio de Campinas só ganha de Minas Gerais. No interior a demanda de tarifas executivas e primeira classe é bem menor", conta Garbin.

Tópicos relacionados