Clia lança guia para agentes e luta para liberar cruzeiros internacionais

|


Divulgação
Os ministérios da Saúde, Justiça, Infraestrutura, Turismo, Casa Civil e a Embratur aprovaram a temporada nacional de Cruzeiros Marítimos 2021/2022, que agora terá seus protocolos detalhados e definidos pela Anvisa, para que a navegação seja realizada entre novembro de 2021 e abril de 2022, somente no Brasil. Os cruzeiros para Argentina e Uruguai ainda não foram aprovados. Assim, segundo a Clia Brasil, milhares de brasileiros poderão se juntar às mais de 2 milhões de pessoas que já voltaram a navegar pelo mundo desde que os cruzeiros retomaram suas operações com sucesso, em cerca de 50 países.

Foram meses de deliberações e apresentações detalhadas dos protocolos de segurança, criados por médicos, cientistas e especialistas, que já foram implementados pela Clia e pelo setor de cruzeiros ao redor do mundo, com aprovação das autoridades sanitárias de cada região, e que mostram que o setor está preparado para navegar em segurança.

Esses procedimentos estão aptos para possíveis ajustes de acordo com o cenário da pandemia e, também, às exigências de cada país. Entre os principais pilares que serão detalhados e definidos pela Anvisa, estão:

1 - testes pré-embarque em todos os hóspedes, com triagem rigorosa;

2 - tripulantes vacinados, com três testes antes de entrar em serviço e quarentena;

3 - uso de máscaras, distanciamento, ocupação reduzida, ar fresco sem recirculação, desinfecção e higienização constantes;

4 - e plano de contingência com corpo médico especialmente treinado e estrutura com todos os modernos recursos para atendimento dos hóspedes e tripulantes.

5 - Além disso, as excursões seguirão os protocolos das companhias marítimas e dos municípios, para que as pessoas possam desfrutar ao máximo do lazer com muita segurança.

Divulgação
SETE NAVIOS

Para a temporada 2021/2022, estão previstas sete embarcações, responsáveis por ofertar mais de 400 mil acomodações. Serão cerca de 130 roteiros e 570 escalas em destinos nacionais muito queridos e procurados pelos brasileiros, como Rio de Janeiro, Santos, Salvador, Angra dos Reis, Balneário Camboriú, Búzios, Cabo Frio, Fortaleza, Ilha Grande, Ilhabela, Ilhéus, Itajaí, Maceió, Porto Belo, Recife e Ubatuba. Esses números poderão sofrer ajustes, de acordo com a portaria publicada.

INTERNACIONAL
A Clia Brasil segue seu trabalho com os ministérios para que a Portaria também aprove os cruzeiros internacionais e está confiante de que uma solução positiva seja definida em breve, garantindo que cruzeiristas tenham à sua disposição os roteiros pela América do Sul.

GUIA
Todos os detalhes, como embarcações, fotos, roteiros, escalas, estudos e impactos econômicos podem ser acessados no “Guia CLIA Brasil Temporada 2021/2022”, site informativo e ilustrado que dá acesso às páginas oficiais de cada uma das cidades e companhias citadas, que está hospedado no site da entidade.

IMPACTO
A indústria de cruzeiros é vital para a recuperação econômica global. Em 2019, o setor gerou US$ 154,5 bilhões de Impacto Econômico no Mundo, 1,2 milhão de empregos e contabilizou US$ 50,53 bilhões pagos em salários. No Brasil, a previsão é de que a temporada traga um impacto de R$ 2,5 bilhões na economia nacional (em 2019/2020 foi de R$ 2.24 bilhões), além da geração de 35 mil empregos (em 2019/2020 foram 33.745).

Cada embarcação que volta a navegar representa um importante passo para a recuperação da economia, atendendo uma demanda reprimida de turistas apaixonados por cruzeiros. Segundo um recente estudo da Clia, 82% dos cruzeiristas que já navegaram em outros tempos, querem voltar a fazer cruzeiros em breve.

As projeções são animadoras e mostram que, até o final do ano, 80% da capacidade da frota global estará em operação, de acordo com um levantamento da CliaGlobal (Cruise Lines International Association).

PANROTAS / Emerson Souza
Marco Ferraz, presidente da Clia Brasil
Marco Ferraz, presidente da Clia Brasil
AGRADECIMENTO
“Somos gratos por todo trabalho e empenho dos ministérios da Saúde, Justiça, Infraestrutura, Turismo e Casa Civil, à Embratur, à Anvisa, além do apoio e parceria de todos os estados e municípios que fazem parte da temporada. Agradecemos, também, aos vereadores, deputados estaduais e federais, senadores, sindicatos, associações, agentes de viagens, operadores, tripulantes, portos e terminais de passageiros e toda a comunidade que sempre colabora com a nossa Indústria”, disse Marco Ferraz, presidente da Clia Brasil.

“Estamos prontos para navegar e para oferecer as mesmas experiências únicas e memoráveis que as pessoas apaixonadas por cruzeiros estão acostumadas a vivenciar. O retorno bem-sucedido da navegação é resultado de um trabalho conjunto extremamente técnico e criterioso da Clia e da indústria de cruzeiros para a implementação de protocolos criados por médicos, cientistas e especialistas, colocando a segurança dos hóspedes, tripulantes e das cidades visitadas em primeiro lugar”, completa Ferraz.

MEIO AMBIENTE
O compromisso com o meio ambiente também merece destaque neste momento de retomada das atividades. Mesmo durante a pandemia, os associados Clia já investiram US$ 23,5 bilhões em novos navios com novas tecnologias e combustível mais limpo para reduzir as emissões de carbono. A meta é reduzir em 40%, até 2030, as emissões de carbono, comparadas com 2008. Serão mais 24 navios movidos a GNL (gás natural liquefeito) até 2027.

ACESSE O GUIA CLIA BRASIL
LEIA A EDIÇÃO ESPECIAL DE CRUZEIROS PANROTAS 2021/22
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA