5 dados da retomada de viagens nos EUA que podem se repetir no Brasil

|

Disney
Americanos estão prontos para voltar a viajar e não se importam em usar máscaras na viagem; mas não querem compartilhar dados pessoais e de saúde
Americanos estão prontos para voltar a viajar e não se importam em usar máscaras na viagem; mas não querem compartilhar dados pessoais e de saúde
A Phocuswright, principal empresa de pesquisas e análises de dados da indústria de Viagens e Turismo, lançou seu relatório US Consumer Travel 2021: na overview, que traz dados de como os viajantes americanos se comportarão na retomada pós-pandemia. A maioria dos destinos americanos já derrubou barreiras como uso de máscaras e restrições a eventos, devido ao amplo plano de vacinação do país. Os destinos contam com a temporada de verão para testarem alguns novos protocolos (como a exigência de vacina em alguns casos), apresentarem as novidades e iniciar a recuperação do tempo perdido.

O relatório custa US$ 495 e pode ser comprado aqui.

Mas em sua conta no Twitter, a Phocuswright deu 5 dicas de como será a temporada de viagens por lá a partir deste mês, quando começa oficialmente o verão no Hemisfério Norte.

1 – Os viajantes estão prontos (para voltar a viajar), mesmo com as incertezas existentes
Segundo a Phocuswright, apenas 1 em 10 americanos dizem que não irão viajar este ano. E 1 em 4 se dizem em modo de espera, aguardando informações e o desenrolar da retomada e da vacinação.

2 – As viagens internacionais ainda são uma questão em aberto
Em 2019, segundo a Phocuswright, 37% dos viajantes americanos estiveram em um destino internacional. Para 2021, apenas 19% planejam fazer uma viagem para o Exterior.

3 – O doméstico, como na maioria dos países com diversidade de produtos nacionais e população numerosa, é o lado bom da retomada. Quase 2 a cada 3 americanos já planejtou uma viagem doméstica para 2021.

4 – Alguns fatores que inibem a decisão por viajar foram listados pela Phocuswright no relatório.
30% dos americanos não querem viajar com as restrições de covid-19 ainda em vigor, o que atrapalharia a experiência da viagem;
29% dos viajantes têm considerações financeiras sobre o tema. Ou seja, estão fazendo conta e analisando o orçamento;
24% têm considerações em relação a saúde e segurança nas viagens. Portanto, os profissionais de Turismo precisam tirar essas dúvidas das mentes dos viajantes, com informações sobre reabertura de destinos, protocolos e planos de vacinação;
13% tiveram um baque econômico forte recentemente;
13% têm pelo menos um membro da família no grupo de risco para covid-19;
8% simplesmente não têm tempo para viajar;
4% têm receio por terem crianças muito pequenas em casa;
25% concordam com todas as afirmações anteriores.

Unsplash/Hedgehog Digital
5 – Há dúvidas se vale trocar privacidade de dados pela experiência de viajar.

Os americanos aceitam viajar com máscaras e fazendo o distanciamento físico. Mas são reticentes na hora de compartilhar dados de saúde, passar por checagens de saúde na viagem e aderir às tecnologias de rastreamento. Metade dos pesquisados pela Phocuswright não querem dividir dados médicos ou um teste negativo de covid para viajar. E apenas 1 em 3 americanos submeterão seus dados às tecnologias de rastreamento ou para contato pelas autoridades e fornecedores.

São dados do viajante americano, mas que podem servir para o Brasil, que tem um mercado doméstico tão forte quanto o dos Estados Unidos e uma população numerosa e diversa, que vai de negacionistas a ultracuidadosos.

O que você acha? Das características acima quais o brasileiro com certeza também possui nessa retomada de viagens?

 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA