Edital Percursos Negros vai apoiar narrativas negras do Turismo

|

A Diaspora.Black realiza a primeira chamada pública nacional de fomento ao afroturismo, com o Edital Percursos Negros, que vai mapear e apoiar, com recursos técnicos e financeiros, até dez iniciativas em todo o País. As inscrições podem ser feitas até o dia 26 de janeiro no link bit.ly/LabCriativodeRoteiros. O objetivo é ampliar as narrativas negras do Turismo em todas as regiões brasileiras, desenvolvendo novos roteiros de passeios e vivências focados nas memórias e culturas afro-brasileiras.

Reprodução/ Facebook Diaspora.Black
Carlos Humberto, da Diaspora Black
Carlos Humberto, da Diaspora Black
“Esse é um momento histórico para consolidar um novo Turismo no Brasil, em que a gente possa se ver e se reconhecer nos principais destinos do País, a partir da nossa própria narrativa”, explica o fundador da Diaspora.Black, Carlos Humberto Silva Filho. “É a primeira iniciativa desse tipo no País e nosso objetivo é fortalecer o afroturismo, que está em franca expansão por aqui nesta retomada do setor”, completa.

O edital Percursos Negros contará com um Mapeamento do afroturismo para mobilizar organizações de afro-empreendedores em todo o País. Em março de 2022, o Laboratório Criativo de Roteiros vai realizar oficinas abertas a partir dos principais desafios apontados pela pesquisa, como gestão financeira; construção de roteiros; storytelling e comunicação.

Também serão selecionadas até dez iniciativas e propostas de roteiros para receber recursos financeiros, mentorias especializadas e apoio para produção de material promocional das iniciativas. A seleção será feita por uma comissão externa de curadoria, formada por profissionais de referência e associações do segmento. A previsão é que, a partir de maio, os novos roteiros já estejam disponíveis para reserva.

"Quando pensamos em outras possibilidades de turismos mais democráticos, inclusivos e disruptivos, buscamos experiências autênticas que valorizam a cultura e as ancestralidades negras. Este edital é um passo importante para isto", afirma o turismólogo e pesquisador, Michel Ferreira.

Podem se inscrever coletivos, microempreendedores, agências ou comunidades tradicionais que já atuam ou tenham projetos para desenvolver roteiros turísticos e culturais de valorização da cultura afro-brasileira em seus territórios. O foco do mapeamento é nos territórios com potencial turístico, com abrangência nacional.

Para participar, basta preencher o formulário e encaminhar um vídeo com a descrição da iniciativa que já realiza ou que pretende desenvolver. A organização não precisa estar formalizada ou mesmo possuir MEI ou Cadastur. Serão apoiadas iniciativas novas ou já existentes, em territórios urbanos ou comunidades tradicionais de todas as regiões.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA