OPERADORAS

Associadas Braztoa vendem R$ 13,1 bilhões em 2018


Emerson Souza
Magda Nassar, presidente da Braztoa, na abertura do Encontro Comercial em São Paulo
Magda Nassar, presidente da Braztoa, na abertura do Encontro Comercial em São Paulo
As associadas Braztoa venderam R$ 13,1 bilhões em 2018, crescimento de 7,4% em relação ao ano anterior, de acordo com o Anuário Braztoa, lançado hoje durante o Encontro Comercial da associação em São Paulo. "Somos 81 operadoras e, juntas, conseguimos chegar a esses resultados. Os números são iguais aos que o Ministério do Turismo e a Embratur trouxeram para o País, algo que mostra a nossa força", comemora a presidente da Braztoa, Magda Nassar, em tom de despedida, pois deixará neste ano o comando da associação.

EMBARQUES

O número de embarques de passageiros teve aumento de 17% em relação ao ano anterior e atingiu a marca de 6,5 milhões, ante 5,5 milhões de 2017. Do total de passageiros embarcados, cinco milhões foram para destinos dentro do Brasil, 77,1% do total. A parcela de turistas para destinos internacionais foi de 22,9%, ou seja, 1,5 milhão de brasileiros viajaram para fora do País em 2018, contra 1,2 milhão em 2017 (23,3% de crescimento).

O Turismo nacional apontou crescimento de 5,7% em faturamento: passou de R$ 7,18 bilhões em 2017 para R$ 7,60 bilhões em 2018. Já as viagens para o Exterior mantiveram a tendência de crescimento e contabilizaram alta de 11,4% no faturamento, atingindo R$ 5,2 bilhões.

REGIÕES MAIS BUSCADAS

No Brasil, o Nordeste segue liderando ao receber 51,8% do total de passageiros embarcados. Já nos embarques internacionais, o crescimento foi de 23,3%, com destaque para América do Norte (+45,4%), seguida de América do Sul (+29,6%) e Europa (+16,8). A região da América Central e Caribe obteve leve crescimento (+4,4%). Já o bloco Ásia, África e Oceania foi o único a apresentar queda (-8,5%), após o expressivo crescimento observado em 2017 (+50,7%).

Os valores médios dos pacotes praticados em 2018 para os mercados doméstico e emissivo internacional foram, respectivamente, R$ 1.521 (queda de 8,5% no tíquete médio) e R$ 3.520 (queda de 9,6% no tíquete médio).

CONSUMO
Em relação ao comportamento do cliente, o tempo médio de duração das viagens manteve certa estabilidade com relação ao período anterior. Os mais curtos (até quatro dias) foram escolhidos por 27% das pessoas. Os médios (cinco a nove dias) ganharam adesão de mais da metade das escolhas dos consumidores (51%), enquanto os roteiros mais longos (mais de dez dias) tiveram 22% nas procuras.

Sobre o tipo de pacote vendido, os completos (com terrestre e aéreo) continuam na preferência com 48% das escolhas. E a utilização de aquisição a prazo, com pagamento parcelado em mais de cinco vezes, atendeu a maior parte dos clientes (64%).

ECONOMIA INTERNA
Os turistas embarcados dentro do Brasil consumiram produtos e serviços não inclusos nos pacotes, como alimentação, transporte e passeios, gerando mais empregos nos destinos. Em 2018, chegou-se ao valor de R$ 3,6 bilhões para este indicador, representando alta de 6%.

Somando o valor dos pacotes comercializados pelas operadoras com o valor destes extras anteriormente citados, os embarques domésticos da Braztoa geraram cerca de R$ 11,2 bilhões de reais para a economia nacional.

EXPECTATIVAS
O ano de 2019 traz a perspectiva de continuidade de crescimento do setor, de acordo com a associação. “A melhoria contínua dos indicadores da economia deverá finalmente se desdobrar para o ambiente de negócios, fato que possibilitará um retorno de investimentos e fazer com que o país retome um crescimento mais vigoroso, trazendo de volta um ciclo virtuoso de renda e consumo”, diz o estudo.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA