Deixem o Turismo em paz, pede o presidente da FBHA

|


Divulgação
Alexandre Sampaio
Alexandre Sampaio
O presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), Alexandre Sampaio, escreveu artigo pedindo bom senso aos governos na hora de decretar medidas de restrição à circulação de pessoas. Depois de um ano difícil, com fechamento de empresas e demissões em massa, o setor de Turismo e Alimentação, segundo ele, tomou as precauções para a segurança e saúde dos clientes e colaboradores e estimula o Turismo Responsável. Em alguns casos, fechar estabelecimentos ou reduzir o horário de atendimento estimula a aglomeração e piora a situação econômica do setor. Confira abaixo o texto, que ele começa pedindo: "Deixem o Turismo em paz".

"Deixem o Turismo em paz
Alexandre Sampaio, presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA)

O início da vacinação contra a covid-19 tem sido o assunto do momento em todo o mundo. Com as primeiras doses sendo aplicadas em alguns países, a esperança ressurge em nossos caminhos. Entretanto, até que todos estejam imunizados, ainda há uma longa batalha para atravessar, principalmente dentro do setor turístico brasileiro.

Desde março, o nosso trade enfrenta uma crise econômica seríssima. Buscando sobreviver às adversidades, o nosso trabalho árduo refletiu no aumento de 7,1% do Índice de Atividades Turísticas, em outubro. Os dados foram apresentados no início deste mês, por meio de cálculos realizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), na Pesquisa Mensal de Serviços (PMS). Apesar do percentual positivo, ainda acumulamos uma perda de 38,2% neste ano.

Antes da chegada do coronavírus no Brasil, o Turismo passava por bons momentos. Contudo, nossa realidade de agora já é outra. Para que consigamos retornar ao patamar de fevereiro deste ano, o indicador calculado pelo IBGE precisa ter um aumento de, aproximadamente, 54,7%.

Por alguns meses, pudemos reabrir as portas dos nossos estabelecimentos - hotéis, bares, restaurantes e similares. Todavia, com a segunda onda alcançando as cidades, voltamos à mira das restrições. Com a possibilidade de receber o público cada vez mais reduzida, vemos uma grande chance do nosso déficit ser ainda mais agressivo para o começo de 2021.

A redução do horário de funcionamento dos empreendimentos, principalmente com a aproximação do verão, atinge com afinco o nosso protagonismo e traz prejuízos que dificilmente serão minimizados. Sabemos que as entidades lutam contra essas medidas, visto que, até hoje, não há um estudo concreto que associe o aumento de casos ao nosso setor.

Em Nova York, a situação não é diferente. No dia 11 de dezembro, por exemplo, o portal de notícias Eater NY mostra que bares e restaurantes foram responsáveis por apenas 1,43% dos casos de covid-19, entre setembro e o final de novembro. Esse estudo é importante para destacar a forma que os empresários estão atuando para prevenir o contágio.

Em âmbito nacional, contamos com protocolos rigorosos para evitar a transmissão da infecção viral. A saúde e o bem-estar dos funcionários e do público sempre será a prioridade do nosso segmento.

O selo “Turismo Responsável”, adotado por mais de 23 mil estabelecimentos em todo o Brasil, comprova a seriedade que temos ao atender o público de forma consciente e segura.

Por isso, não há espaço para medidas imprudentes. Estamos falando da importância de manter a circulação da economia brasileira e isso, sem dúvidas, envolve a vida de milhões de brasileiros."
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA