Número de turistas internacionais cai 65% no primeiro semestre

|

As chegadas de turistas internacionais despencaram 93% em junho em comparação com 2019, segundo os últimos dados da OMT. De acordo com a nova edição do World Tourism Barometer, as chegadas de viajantes internacionais caíram 65% durante o primeiro semestre do ano, uma queda sem precedentes, à medida que países ao redor do mundo fecharam suas fronteiras e introduziram restrições de viagens em resposta à pandemia.

NeedPix
World Tourism Barometer, da OMT, mostra que chegadas de viajantes internacionais caíram 65% no primeiro semestre
World Tourism Barometer, da OMT, mostra que chegadas de viajantes internacionais caíram 65% no primeiro semestre
Nas últimas semanas, um número crescente de destinos começou a abrir novamente para turistas, com 53% deles afrouxando as restrições no início de setembro. No entanto, muitos governos permanecem cautelosos e este último relatório mostra que os bloqueios introduzidos durante a primeira metade do ano tiveram um impacto enorme no Turismo internacional.

CUSTO ECONÔMICO
De acordo com o órgão, a queda maciça na demanda de viagens internacionais durante o período de janeiro a junho se traduz em uma perda de 440 milhões de chegadas internacionais e cerca de US$ 460 bilhões em receitas de exportação do Turismo internacional. Isso é cerca de cinco vezes a perda na receita registrada em 2009, em meio à crise financeira global.

“O último World Tourism Barometer mostra o profundo impacto que esta pandemia está tendo no Turismo, um setor do qual milhões de pessoas dependem para seu sustento. No entanto, viagens internacionais seguras e responsáveis agora são possíveis em muitas partes do mundo e é imperativo que os governos trabalhem em estreita colaboração com o setor privado para fazer o Turismo global funcionar novamente. Ação coordenada é a chave”, afirma o secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili.

IMPACTO GLOBAL
Apesar da reabertura gradual de muitos destinos desde a segunda quinzena de maio, a melhora antecipada nos números do Turismo internacional durante a alta temporada de verão no Hemisfério Norte não se materializou. A Europa foi a segunda região mais duramente atingida no mundo, com uma queda de 66% nas chegadas de turistas no primeiro semestre. As Américas (-55%), África e Oriente Médio (ambos -57%) também sofreram. A Ásia-Pacífico, a primeira região a sentir o impacto da covid-19 no Turismo, foi a mais atingida, com uma queda de 72% no número de turistas no período de seis meses.

No nível sub-regional, o Nordeste Asiático (-83%) e o Sul da Europa Mediterrânea (-72%) sofreram as maiores quedas. Todas as regiões e sub-regiões do mundo registraram diminuições de mais de 50% nas chegadas de janeiro a junho. A contração da demanda internacional também se reflete em quedas de dois dígitos nos gastos com Turismo internacional entre os grandes mercados. Os principais mercados emissores, como Estados Unidos e China, continuam parados, embora alguns destinos, como França e Alemanha, tenham mostrado alguma melhora em junho.

Olhando para o futuro, parece provável que a redução na demanda de viagens e na confiança do consumidor continuará a impactar os resultados para o resto do ano. Em maio, a OMT traçou três cenários possíveis, apontando para quedas de 58% a 78% nas chegadas de turistas internacionais em 2020. As tendências atuais até agosto apontam para uma queda na demanda mais próxima de 70% (cenário 2), especialmente agora como alguns destinos reintroduzindo restrições de viagens.

A extensão dos cenários até 2021 aponta para uma mudança de tendência no próximo ano, com base nas premissas da suspensão gradual e linear das restrições às viagens, disponibilidade de vacina ou tratamento e retorno da confiança do viajante. No entanto, apesar disso, o regresso aos níveis de 2019 em termos de chegadas de turistas demoraria entre dois a quatro anos.

 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA