Veja o que os países estão fazendo para incentivar o Turismo doméstico

|

Wikicommons
Zurab Pololikashvili, secretário-geral da OMT
Zurab Pololikashvili, secretário-geral da OMT
Na medida em que as restrições às viagens começam a diminuir globalmente, os destinos em todo o mundo estão se concentrando no crescimento do Turismo doméstico, com muitos oferecendo incentivos para encorajar as pessoas a explorar seus próprios países. De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT), com o Turismo doméstico voltando mais rapidamente do que as viagens internacionais, isso representa uma oportunidade para os países desenvolvidos e em desenvolvimento se recuperarem dos impactos sociais e econômicos da pandemia.

Reconhecendo a importância do Turismo doméstico, a agência especializada das Nações Unidas divulgou o terceiro número de sua Nota Informativa sobre o Turismo e covid-19, chamada "Compreendendo o Turismo doméstico e aproveitando suas oportunidades". Dados da OMT mostram que em 2018, cerca de 9 bilhões de viagens de Turismo doméstico foram feitas em todo o mundo, representando seis vezes o número de chegadas de turistas internacionais (1,4 bilhão em 2018). A publicação identifica maneiras pelas quais os destinos ao redor do mundo estão tentando aumentar o segmento, desde a oferta de bônus de férias para trabalhadores até o fornecimento de vouchers e outros incentivos para pessoas que viajam em seus próprios países.

“A OMT espera que o Turismo doméstico retorne mais rápido e mais forte do que as viagens internacionais. Dado o tamanho do segmento, isso ajudará muitos destinos a se recuperarem dos impactos econômicos da pandemia, ao mesmo tempo em que salvaguarda empregos, protege meios de subsistência e permite que os benefícios sociais que o Turismo oferece também retornem”, afirmou o secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili.

A nota informativa também mostra que, na maioria dos destinos, o Turismo doméstico gera receitas maiores do que o internacional. Nos 37 países da OCDE, o doméstico é responsável por 75% das despesas totais com Turismo, enquanto na União Europeia, as despesas com Turismo doméstico são 1,8 vezes mais altas do que as despesas com Turismo receptivo. Globalmente, os maiores mercados domésticos de Turismo em termos de gastos são os Estados Unidos com quase US$ 1 trilhão, Alemanha com US$ 249 bilhões, Japão com US$ 201 bilhões, Reino Unido com US$ 154 bilhões e México com US$ 139 bilhões.

Dado o valor do Turismo doméstico e as tendências atuais, um número cada vez maior de países está tomando medidas para aumentar seus mercados, relata a OMT. Esta nova Nota Informativa fornece estudos de caso de iniciativas destinadas a estimular a demanda doméstica. Isso inclui iniciativas focadas em marketing e promoção, bem como incentivos financeiros. Exemplos de países que tomam medidas direcionadas para aumentar o número de turistas domésticos incluem:

  • Na Itália, a iniciativa Bonus Vacanze oferece às famílias com renda de até 40 mil euros contribuições de até 500 euros para gastar em hospedagem para Turismo doméstico.
  • A Malásia alocou US$ 113 milhões em vouchers de desconto em viagens, bem como redução de impostos pessoais de até US$ 227 para despesas relacionadas ao Turismo doméstico.
  • A Costa Rica mudou todos os feriados de 2020 e 2021 para as segundas-feiras para que os costarriquenhos aproveitem os fins de semana prolongados para viajar no país e estender suas estadias.
  • A França lançou a campanha # CetÉtéJeVisiteLaFrance ('Neste verão, eu visito a França') destacando a diversidade de destinos em todo o país.
  • A Argentina anunciou a criação de um Observatório de Turismo Doméstico para dar um melhor perfil aos turistas argentinos.
  • A Tailândia subsidiará 5 milhões de noites de hospedagem em hotel a 40% das diárias normais para até cinco noites.
  • O Japão criou incentivos que dão descontos aos cidadãos que viajarem dentro do país.
NO BRASIL
O secretário de Desenvolvimento e Competitividade do Ministério do Turismo, William França, apresentou no começo do mês o Plano de Retomada do Turismo brasileiro, composto por quatro fases: Proteção, Retomada, Incentivo e Promoção.

"Este plano está sendo desenvolvido há alguns meses e está focado em dois aspectos: segurança (financeira e sanitária) e a manutenção de empregos e renda. Em tudo o que fazemos, nos perguntamos quanto de renda vai gerar, quantos empregos serão mantidos", afirmou o secretário do MTur, que também disse que o plano está pautado em pesquisas que apontam para o novo perfil de viajantes, que buscará viagens rodoviárias, regionais, e par a destinos de natureza, principalmente. E, claro, mais exigentes em relação a protocolos de biossegurança.

Segundo o MTur, estamos na segunda fase, focada na retomada do setor e que já conta com o selo Turismo Responsável e o Fungetur. O primeiro é um selo promocional, gratuito e espontâneo para prestadores de serviços turísticos que cumpram os protocolos sanitários necessários. O próximo passo será oferecer ao turista um portal em que ele poderá consultar os estabelecimentos que já possuem o selo. Já são mais de 20 mil selos emitidos e a meta é chegar em 50 mil no verão.

Já o Fungetur corresponde a linha de crédito para as empresas do Cadastur por meio das 17 instituições financeiras credenciadas, que passarão a ser mais de 30 em breve. O objetivo é auxiliar o setor com capital de giro.

Entre as ações a serem lançadas como parte desta segunda fase, estão o Programa Qualifica + Turismo e a TV Turismo, ambos focados na capacitação do profissional do Turismo. O primeiro é um programa de qualificação dos profissionais do setor com cursos online focados na biossegurança neste primeiro momento. Já a TV Turismo será lançada no primeiro semestre de 2021 e funcionará nos moldes que é a TV Escola para a Educação, contando com vídeo aulas para o setor e seus profissionais.

A última iniciativa da fase de retomada é a Lei Aldir Blanc, que corresponde a destinação de R$ 3 bilhões para apoiar o setor cultural com o objetivo de ajudar financeiramente trabalhadores do setor com atividades suspensas, subsídios para a manutenção de espaços culturais e promoção de ações de fomento. Até o final deste mês, todas as unidades da federação já devem ter recebido os recursos.

INCENTIVO
Já para a terceira fase, de incentivo, o secretário William França anunciou as propostas do MTur que ainda serão discutidas junto às secretarias dos Estados para melhor definição de suas bases. Entre as propostas, estão o desenvolvimento do Turismo rodoviário no Brasil com nova regulamentação e produtos; elaboração de projeto para concessão de rodoviárias interestaduais, intermunicipais e urbanas; promoção da inovação no Turismo com foco na implementação de destinos inteligentes, com rastreamento dos Turistas para entender o novo perfil do viajante; revisão de legislação e regulamentação relacionadas à mobilidade e conectividade turística; estruturação do Turismo nos parques nacionais e estaduais; lançamento de portal de investimento para o Turismo; apresentação da 1ª rota gastronômica do País; lançamento de documento com destinos religiosos; apresentação para o desenvolvimento do Turismo rural no País (tema do Dia Mundial do Turismo, da OMT, este ano); e plano de incentivo para práticas inovadoras no Turismo (Smart City e "Turismo sob controle").

Entre as propostas já sendo colocadas em prática, poderemos acompanhar no Abav Collab, evento híbrido que substituirá a Abav Expo este ano em função da pandemia. Começando com a celebração do Dia Mundial do Turismo no dia 27 de setembro junto a Organização Mundial do Turismo (OMT), marcando o início do Abav Collab. No dia 29 de setembro, durante o evento, também serão anunciados os finalistas e o vencedor do concurso de startups promovido pelo MTur junto a Wakalua e a OMT. E, durante todo o evento, cada Estado terá um estande virtual para apresentar seus produtos ao trade turístico. França também disse que detalhará mais o plano e as propostas acima durante o evento em seminários colaborativos.

PROMOÇÃO
Em uma quarta fase, voltada para a promoção turística, o MTur já planeja as seguintes ações: apresentação do calendário de campanhas a serem trabalhadas com foco na recuperação do Turismo, como o repasse de R$ 500 mil para cada uma das unidades federativas para promoção de seus atrativos (13,5 milhões no total); estabelecimento de parceria com a Embratur para realização de campanhas com foco na promoção do Turismo doméstico; e também um conjunto de ações de qualificação em biossegurança, inovação digital e promoção das 30 rotas estratégicas com foco nas férias de verão em parceria com o Sebrae Nacional.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA