WTTC revela recuperação lenta do Turismo na América Latina

|

Uma nova pesquisa da Oxford Economics e do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC) indica que a recuperação do setor de Turismo na América Latina tem sido lenta, com sua contribuição para o PIB da região podendo registrar um aumento de apenas 26% no final deste ano, em comparação com 2020, quando a atividade despencou devido à pandemia de covid-19.

Divulgação/WTTC
Pesquisa do WTTC revela recuperação lenta do Turismo na América Latina
Pesquisa do WTTC revela recuperação lenta do Turismo na América Latina
Segundo o WTTC, esse fato se deve, em grande parte, ao crescimento dos gastos internos. No entanto, a lentidão na flexibilização das restrições às viagens e dos processos de vacinação, bem como a falta de padronização dos protocolos de saúde, tem impedido uma recuperação maior do segmento.

Em 2020, devido à crise de saúde global, a contribuição de viagens e Turismo para o PIB global caiu 49,1%, representando uma perda de quase US$ 4,5 trilhões e 62 milhões de empregos. Porém, com a unificação e o reconhecimento das vacinas, a eliminação das quarentenas e listagens confusas, o aumento da contribuição global da indústria, conforme previsto pelo órgão, pode chegar a 30,7% neste ano.

Ambas as instituições asseguram, ainda, que até 2022 o número pode chegar a um crescimento de 34%, para a mesma data, e os gastos internacionais podem aumentar até 93,8%. Além disso, em um cenário em que os planos de vacinação continuam avançando, as fronteiras se abrem e o crescimento dos gastos domésticos e internacionais continua a aumentar, os empregos devem crescer 6,8% este ano, chegando a 19 milhões no setor que ainda poderiam ser salvos, e 20,1% até 2022, o que significaria atingir os níveis de 2019.

No caso da América Latina, nas mesmas condições, pode-se esperar um crescimento de 8,4% no emprego este ano, aumentando em quase 1,1 milhão de postos de trabalho, atingindo um aumento de 25,1% (4,6 milhões de empregos) em 2022, chegando a níveis superiores a 2019.

“Nossa pesquisa mostra que o setor global de viagens e Turismo começou uma recuperação muito gradual da devastação da covid-19, com a contribuição do setor para o PIB global aumentando apenas em quase um terço este ano”, diz a presidente e CEO do WTTC, Julia Simpson.

Julia destacou também que as viagens domésticas deram um impulso de curto prazo, dando oxigênio às economias locais. Por exemplo, no México, a recuperação durante o verão de 2021 foi de 86% em comparação com os níveis de 2019. Mercados como a América Latina aumentaram 26% de crescimento do PIB, nos países da América do Norte, até 37,9%. A indústria está apenas recuperando parte do que foi perdido com o colapso da pandemia.

A entidade identificou medidas que acelerariam a recuperação econômica global, incluindo quatro regras simplificadas para pessoas totalmente vacinadas que lhes permitem viajar livremente para qualquer lugar, independentemente de sua origem ou destino final:
  • Permitir a livre circulação de todos os viajantes totalmente vacinados, independentemente de sua origem ou destino, eliminando sistemas de categorias;
  • A implementação de soluções digitais que permitem a todos os viajantes comprovar facilmente seu status covid, o que por sua vez acelera o processo nas fronteiras ao redor do mundo;
  • Reconhecimento de todas as vacinas autorizadas pela OMS e/ou qualquer uma das Autoridades Reguladoras Estritas (SRA);
  • Acordo de todas as autoridades relevantes de que as viagens internacionais são seguras, com protocolos aprimorados de saúde e segurança.

O estudo mostra que se essas quatro medidas forem realizadas, facilitando as viagens e impulsionando a atividade internacional, o impacto na economia global e nos empregos pode ser significativo, superando os níveis de 2019, um ano recorde para o Turismo, no final de 2022, recuperando mais de 4,6 milhões de empregos.

 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA