Laura Enchioglo   |   29/01/2024 11:14   |   Atualizada em 29/01/2024 12:31

Carnaval 2024 deve movimentar R$ 9 bilhões, superando 2019, diz CNC

Folia paulista lidera expectativa de faturamento, com R$ 16,3 bilhões no mês da festa


Carnaval de BH/Fabrício Mendes
Carnaval de Minas Gerais lidera a projeção de crescimento
Carnaval de Minas Gerais lidera a projeção de crescimento

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima que o carnaval 2024 movimente R$ 9 bilhões, valor 10% mais alto do que o registrado em 2023. Em ritmo de recuperação pelo quarto ano seguido, esta é a primeira vez que o faturamento deve superar o patamar anterior à pandemia de covid-19.

“Os dados de faturamento do setor de Turismo, tanto nacionais quanto regionais, apontam o crescimento da atividade nos últimos anos. O efeito do carnaval, como um evento isolado, contribui para a recuperação econômica do segmento de maneira geral e expressiva”, destaca o presidente da CNC, Roberto Tadros.

Turista gastará mais no carnaval 2024

Com a situação financeira um pouco melhor para os brasileiros, o turista deve gastar mais neste carnaval, contribuindo para a circulação de renda no comércio e nos serviços durante as festividades, diz a CNC. Segundo dados do Banco Central do Brasil (BCB), os gastos dos brasileiros no Exterior em 2023 cresceram 44% em relação a 2022, alcançando US$ 1,1 bilhão. Já para os turistas estrangeiros no Brasil, os gastos em 2023 foram 44% maiores do que em 2022.

“Essa tendência de alta, observada entre 2022 e 2023, deve ser mantida em 2024”, afirma o economista-chefe da CNC, Felipe Tavares. A previsão, segundo aponta ele, é de que as despesas dos turistas brasileiros no Exterior cresçam 19%, alcançando US$ 1,3 bilhão, enquanto os turistas estrangeiros no Brasil devem gastar 19,4% a mais, o que representará cerca de US$ 971 bilhões no carnaval em 2024.

Folia paulista lidera expectativa de faturamento

Conforme as projeções da CNC, o campeão de faturamento das atividades turísticas no mês do carnaval deve ser São Paulo, com expectativa de R$ 16,3 bilhões, seguido com certa distância pelo Rio de Janeiro, com R$ 5,3 bilhões, e Minas Gerais, com R$ 5,2 bilhões. Empatados, vêm Bahia e Rio Grande do Sul, com previsão de R$ 2,7 bilhões.

“O faturamento das atividades turísticas no mês do carnaval reflete a dinâmica econômica geral de cada Estado e, quanto maior o fluxo turístico, a população residente e a renda média, mais alta a projeção”, pontua Felipe Tavares. Nesse sentido, São Paulo assume a liderança isolada, já que abriga cerca de 20% da população brasileira.

Carnaval mineiro cresce de vento em popa

Os três Estados que lideram a projeção de crescimento do setor são Minas Gerais (20,2%), Paraná (14,5%) e Rio Grande do Sul (12,2%). De acordo com o economista-chefe da CNC, Felipe Tavares, 2024 deve manter essa tendência de crescimento.

“A profissionalização da atividade do Turismo nos últimos anos, além da maior demanda por esses serviços, justifica o surgimento de destinos menos tradicionais como protagonistas para os turistas que buscam aproveitar esse período não somente para as grandes festas de carnaval”, explica.

Empregos temporários

O carnaval impulsiona não só o Turismo, mas também contratação de temporários em diversas áreas econômicas. No setor de serviços, onde estão incluídas as atividades de Turismo, a CNC estima 66.699 postos temporários para 2024, com 3,1% de efetivação.

Para o diretor da CNC que coordena o Conselho Empresarial de Turismo e Hospedagem (Cetur), Alexandre Sampaio, o carnaval 2024 vai manter o rito de ser uma atividade importante para o Turismo brasileiro e impulsionar a contratação de pessoal para atender a demanda.

“Nós acreditamos que o carnaval vai cumprir o seu padrão de ocupação plena de vários segmentos de hospedagem, demanda muito grande de alimentação fora do lar, processos e serviços de catering para atendimento de grupos nas avenidas e no carnaval de rua, como em Salvador, Rio e São Paulo, que são os mais famosos”, indica Sampaio, que também preside a Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA).

Tópicos relacionados