Apps de empréstimo de carro propõem economia

|


Do tx.english-ch

Um dos grandes negócios da economia colaborativa explorados na Europa começa a dar sinais de avanço no Brasil. Depois de fases de experimentação, os aplicativos para compartilhamento de carros brasileiros têm se expandido para além de bairros nos projetos pilotos e se mostrado uma alternativa para o dia a dia, e, principalmente, às viagens.

Em média, a economia gerada pelo uso do recurso tecnológico chega a ser de 35%, em comparação com os preços dos aluguéis de carros em locadoras convencionais, segundo dados fornecidos por uma das startups.

Em uma estimativa feita por uma das empresas, na categoria "Econômico", que representa o maior número de aluguéis, a diferença no preço da diária é de 25%: R$ 115 nas locadoras e R$ 87 no esquema de empréstimo. Em alguns modelos a variação é ainda maior, como as Minivans (69%) e as Minipicapes (55%).

“A economia compartilhada é cada vez mais uma realidade em todo o mundo, e no Brasil não é diferente. Assim como em outros setores, o compartilhamento de carros traz enormes vantagens de preço e facilidade de acesso para quem precisa de um produto ou serviço”, explica o sócio-fundador do Pegcar, Conrado Ramires.


Arte Panrotas



No segmento, duas empresas têm liderado o mercado no Brasil. Uma delas, a Pegcar, passou por testes nos bairros de Pinheiros e Vila Madalena e São Paulo quando foi lançado, no segundo semestre de 2015, e agora se expande por 15 cidades do Estado. Já a Fleety, testada em Curitiba em 2014, vem ampliando seu serviço desde o ano passado também por São Paulo, Florianópolis e Rio de Janeiro.

Como todo app de sucesso na economia colaborativa, a ideia dos serviços de compartilhamento de carros é simples: o usuário se cadastra e põe seu veículo a disponibilidade de aluguel a partir dos critérios exigidos. O cliente em busca do empréstimo se cadastra e procura a chave mais próxima dentro dos modelo que espera.

No caso do Pegcar, o valor do empréstimo é gerado depois que o ofertante do automóvel preenche o formulário. As duas partes assinam uma folha de vistoria tanto na entrega quanto na devolução da chave, que são necessariamente presenciais. Há uma seguradora responsável por eventuais danos ou problemas. Entre os critérios de avaliação estão exigências como fornecimento de dados pessoais e do carro, fotos e "idade" do carro. Por parte de quem espera alugar, o serviço exige idade mínima de 21 anos, carteira de habilitação e até antecedentes de sinistros no último ano.

Já com a Fleety, o usuário que busca um empréstimo seleciona o veículo de interesse, negocia com o ofertante, combina a retirada, faz o pagamento online e usa o carro. O cadastro é gratuito e ambos podem fazer avaliações e comentários.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA