Iata elogia concessões e alerta Anac no 1º Aviation Day

|

Netto Moreira
Na home, o diretor da Iata no Brasil, Carlos Ebner. Acima, Ebner com Eduardo Sanovicz (Abear), Patrício Sepúlveda (Iata), Marco Maia, presidente da Câmara dos Deputados, Wagner Bittencourt (Secretaria de Aviação Civil), Marcelo Guaranys (Iata) e Alex de Gunten (Alta)
BRASÍLIA - Os números da aviação no Brasil, segundo estudo realizado pela Iata e pela Oxford Economics, foram destaque na manhã de hoje no primeiro Aviation Day, que ocorre em Brasília. Quem comandou a abertura do evento foi o diretor da Iata no Brasil, Carlos Ebner, que ressaltou que embora os números sejam expressivos, eles poderiam ser muito maiores. “Isso depende do esforço conjunto de todos os interessados, que tentamos fazer agora, com este evento”, disse.

Segundo o estudo, a aviação contribui com 1% do PIB nacional, sendo R$ 13,3 bilhões em contribuições diretas, por meio das companhias aéreas e aeroportos, por exemplo, e outros R$ 11,5 bilhões em contribuições indiretas, por meio da cadeia produtiva da aviação. Há ainda outros R$ 7,3 bilhões de contribuição gerados pelos funcionários do setor, e outros R$ 9,9 bilhões no que o estudo considera “benefícios catalisadores” consequentes do turismo movimentado pela aviação, elevando para 1,3% a participação do setor no PIB.

De acordo com o estudo, a aviação responde por 938 mil postos de trabalho no País, sendo 138 mil deles diretos. Em relação a impostos e taxas, o setor é responsável por mais de R$ 5,3 bilhões em receita, além de outros R$ 4,4 bilhões produzidos pela cadeia produtiva em impostos.

Carlos Ebner diz que a Iata aprova o modelo de concessão dos aeroportos desenhado pelo governo federal, mas ressaltou a necessidade de algumas modificações. Alertou para o papel de Anac, como monitora dos procedimentos desenvolvidos, e comprometeu-se a acompanhar e auxiliar nesse monitoramento. “As tarifas aéreas no Brasil caíram 50% nos últimos dez anos, democratizando a aviação, mas é preciso cuidado com a criação e o aumento das taxas, que pode vir a comprometer esse processo”, alertou.

Participaram da abertura do evento, além de Ebner, o vice-presidente da Iata na América Latina, Patrício Sepúlveda, o presidente da Anac, Marcelo Guaranys, o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Wagner Bittencourt, o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, o presidente da Alta, Alex de Gunten, e o presidente da Abear, Eduardo Sanovicz, que realizou seu primeiro discurso oficial.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA