EMPRESAS

Azul abre as portas de centro de manutenção pesada em BH; conheça

Jhonatan Soares
Antonio Eick, gerente geral de Manutenção da Azul
Antonio Eick, gerente geral de Manutenção da Azul
BELO HORIZONTE - Com a meta de dobrar sua oferta de assentos nos próximos cinco anos, a Azul Linhas Aéreas vem investindo forte na capacidade de manutenção de suas aeronaves e, até o final de 2019, inaugurará um novo hangar em Campinas (SP), que promete ser o maior da América Latina, com 165 metros de boca e capacidade para revisar até oito Airbus 320 ao mesmo tempo.

Enquanto as obras são conduzidas, a empresa abriu as portas do seu centro de manutenção pesada no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, que também passa por um processo de reformulação e aprimoramento, a uma visita da PANROTAS.

Jhonatan Soares
Centro de Manutenção Pesada da Azul, no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte
Centro de Manutenção Pesada da Azul, no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte
Na capital mineira, apenas aeronaves da ATR recebiam manutenção até 2015, mas uma série de reformas na estrutura física e gerencial do setor possibilitaram que a empresa levasse outros modelos de sua frota, como os produzidos pela Embraer e Airbus, para o local.

“Com os investimentos realizados na nossa estrutura interna, já conseguimos economizar cerca de R$ 7,5 milhões por ano em manutenção pesada. Antes, precisávamos terceirizar esse tipo serviço a outras empresas, o que tornava o custo mais alto e o processo mais engessado”, contou o gerente geral de Manutenção de Aviões, Antonio Eick.

Entre 2014 e 2015, a Azul implementou novos processos de Controle e Planejamento de Produção, o que possibilitou uma economia de cerca de 47% na utilização geral dos TATs (Turn Around Time) para a liberação das aeronaves que passam por revisões.

“Com minha experiência de longa data na Tap, extraí as melhores práticas e ajustei os processos na Azul. Agora, as aeronaves ficam menos tempo paradas e podem voltar às operações com mais agilidade, o que resulta em ganhos econômicos significativos à empresa, sem perda alguma em segurança, que é prioridade nesse tipo de negócio”, explicou Eick.

Maior companhia aérea brasileira em termos de cidades atendidas, a Azul faz mais de 780 voos diários para 107 destinos por meio de sua frota com 118 aeronaves. Os aviões passam por revisões básicas constantes nos aeroportos que operam e, a cada um ano e meio, em média, passam por uma manutenção pesada, dependendo das condições de uso durante o período, quando são praticamente desmontados e montados novamente em busca de ajustes.

Em 2018, mais de 65 pessoas, entre inspetores, técnicos, auxiliares, controladores e provedores de materiais foram contratadas para reforçar a missão da Azul em Belo Horizonte, e o processo seletivo continua.

"Apesar de o Brasil passar por um momento de problemas sérios em relação ao desemprego, nós seguimos contratando. Temos de sair do período de crise em uma situação melhor do que a que entramos", completou Eick.

Confira as imagens do centro de manutenção pesada da Azul, em Belo Horizonte:
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA