Avianca Brasil explica disputa jurídica com arrendamentos | Empresas | PANROTAS
EMPRESAS

Avianca Brasil explica disputa jurídica com arrendamentos

Arquivo PANROTAS
Corre na justiça uma ação contra a Avianca Brasil pelo não pagamento de parcelas de arrendamentos de aeronaves. Segundo informa o jornal Folha de São Paulo, na coluna Mercado Aberto, de Maria Cristina Frias, duas empresas teriam levado o caso a tribunais. A empresa afirma que suas operações “não foram ou serão impactadas”.

A subsidiária irlandesa da Boc Aviation tenta reaver na justiça, segundo o jornal, dois Airbus 320 utilizados pela Avianca Brasil. O motivo seria a falta de pagamentos de arrendamentos das aeronaves nos últimos dois meses. O valor da causa seria de R$ 3,5 milhões, relata a coluna. Após perder a ação, a Avianca Brasil recorreu da sentença.

Ao Portal PANROTAS, a companhia aérea afirmou que “processos como esses são previstos” e que “negociações fazem parte da rotina de qualquer empresa para otimização de resultados”.

A Avianca Brasil reforçou "que suas operações não foram ou serão impactadas”.

DESEMPENHO NO ANO

Em 2018, a Avianca Brasil aumentou o número de passageiros transportados, com 9,7 milhões de viajantes até o momento. O acumulado de janeiro a outubro apresenta crescimento de 11,5% em relação ao mesmo recorte de 2017. Como comparação, Azul, Gol e Latam Brasil tiveram crescimentos de um dígito, segundo dados da Anac.

Na participação de mercado, medida em número de passageiros transportados, a Avianca Brasil também vem crescendo no ano. A aérea subiu de 11,7% para 12,6%, ao passo que seus rivais caíram, como Latam Brasil (-2%) e Azul (-0,7%), ou se mantiveram no mesmo patamar, como a Gol.

No mercado corporativo, a Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas (Abracorp) informa que a Avianca Brasil teve a tarifa média mais competitiva do terceiro trimestre de 2018, com R$ 530. No período, em viagens nacionais, foram gerados R$ 108 milhões para os cofres da aérea (9,6% do share de venda das TMCs associadas).

A Avianca Brasil afirma que “fatores externos como a alta do dólar, o aumento histórico do preço do combustível de aviação e a greve dos caminhoneiros têm desafiado todo o setor em 2018”. Por isso, a companhia fala em “otimizar a gestão de seus recursos da melhor forma possível, o que inclui a adequação de frota à demanda de passageiros”.

NOTA OFICIAL

Leia a nota da Avianca Brasil na íntegra:

"A Avianca Brasil explica que negociações fazem parte da rotina de qualquer empresa para otimização de resultados e esclarece que processos como esse são previstos pela companhia. A Avianca Brasil nega qualquer rumor relacionado a um possível pedido de recuperação judicial e reforça que suas operações não foram ou serão impactadas.

Fatores externos como a alta do dólar, o aumento histórico do preço do combustível de aviação e a greve dos caminhoneiros têm desafiado todo o setor em 2018.

Nesse contexto, é natural e previsto que todas as empresas busquem otimizar a gestão de seus recursos da melhor forma possível, o que inclui a adequação de frota à demanda de passageiros."


*Fonte: Folha de São Paulo

conteúdo original: https://bit.ly/2UnvbGY
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA