EMPRESAS

Estratégias da Avianca são genéricas e abusivas, diz Latam

A Latam apresentou à Justiça objeção ao plano de recuperação judicial da Avianca Brasil, questionando sua viabilidade e o fato de o valor ofertado pela Azul para comprar ativos da companhia ser insuficiente para os pagamentos dos credores. As informações são do jornal O Estado de São Paulo.

Segundo a publicação, a Latam teria dito que a Avianca apresentou estratégias genéricas e abusivas para possibilitar a recuperação da empresa.


Emerson Souza

A Azul propôs adquirir parte da Avianca Brasil, num modelo que envolveria a aquisição – por US$ 105 milhões – de uma Unidade Produtiva Isolada (UPI), contendo parte da frota e das autorizações de pousos e decolagens (slots).

Pelo acordo, a dívida total da companhia aérea, de quase R$ 3,3 bilhões, ficaria de fora da UPI. O negócio precisa, no entanto, do aval dos credores, das arrendadoras de aeronaves e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

O movimento da Latam demonstra as dificuldades que a Avianca e a Azul poderão ter para dar vazão ao plano de resgate da companhia aérea.

Em fevereiro deste ano, quando questionado sobre uma possível insegurança no ambiente de negócios, agravada por conta da crise da Avianca Brasil, o presidente da Latam Brasil, Jerome Cadier disse quea companhia se planejou em um momento crítico para a economia do Paíse isso livrou a Latam Brasil de maiores riscos.

“À época em que o mercado encolheu, ajustamos a capacidade para não entrarmos em uma situação de maior risco.Queremos que esse período se resolva rapidamente porque incerteza não é bom para ninguém", apontou o executivo na época.

Em nota, a Latam Airlines Brasil confirmou que apresentou objeção ao plano como medida de proteção judicial, na condição de credora da companhia congênere.

Atualizado às 19h43.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA