Avianca Holdings pede recuperação judicial (Chapter 11) em Nova York

|


Isabella Tagliapietra
Silvia Mosquera, CCO, Akon van der Werff, CEO, e Adrian Neuhauser, CFO da Avianca Holdings, que recentemente comemorou 100 anos de atividades
Silvia Mosquera, CCO, Akon van der Werff, CEO, e Adrian Neuhauser, CFO da Avianca Holdings, que recentemente comemorou 100 anos de atividades
A Avianca Holdings S.A., incluindo algumas de suas subsidiárias e afiliadas, entrou com pedido de recuperação judicial (Chapter 11) em Nova York, alegando necessidade de preservar seus ativos e iniciar um plano de reorganização em meio à crise de covid-19. Segundo comunicado, a Avianca continuará operando durante o processo de recuperação.

A Avianca é a maior companhia aérea da Colômbia e de El Salvador e tem uma grande operação na América Latina, incluindo voando entre Bogotá e o Brasil.

Durante o processo, a Avianca informa que pretende:

- Continuar suas operações, agora seguindo os protocolos de biossegurança, após a pandemia de covid-19.
- Manter a conectividade de sua malha para Turismo e carga.
- Preservar os empregos na Colômbia e em outros mercados. A empresa é responsável diretamente por 21 mil posições de trabalho, incluindo 14 mil na Colômbia.
- Reestruturar a empresa financeiramente para que possa navegar nos efeitos da covid-19.
- A empresa continua negociações com o governo da Colômbia e em outros mercados-chave para encontrar formas de financiamento que ajudem com uma liquidez adicional durante o processo de Chapter 11.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA