Embraer reorganiza estrutura e demite 900 funcionários

|

Divulgação
A Embraer anunciou hoje (3) a demissão de 900 funcionários da empresa no Brasil, cerca de 4,5% da força de trabalho da companhia no País. A medida decorre dos impactos causados pela covid-19 na economia global e pelo cancelamento da parceria com a Boeing. A empresa alega que seu objetivo de momento é assegurar a sustentabilidade e capacidade de engenharia.

No comunicado em que informa as demissões, a companhia acrescenta que a pandemia afetou seu desempenho do ano. No primeiro semestre de 2020 houve redução de 75% das entregas de aeronaves, em comparação com o mesmo período do ano passado.

"Além disso, a situação se agravou com a duplicação de estruturas para atender a separação da aviação comercial, em preparação à parceria não concretizada por iniciativa da Boeing, e pela falta de expectativa de recuperação do setor de transporte aéreo no curto e médio prazos", aponta a nota publicada pela empresa.

Desde o início da pandemia, a Embraer vem divulgando uma série de medidas adotadas no sentido de preservar empregos como férias coletivas, redução de jornada, lay-off, licença remunerada e três planos de demissão voluntária (PDV). Também nesse período reduziu o trabalho presencial nas plantas industriais. Os três PDVs registraram adesão voluntária de cerca de 1,6 mil colaboradores no Brasil.

"A companhia reconhece e agradece o empenho sempre demonstrado pelos profissionais que deixam a organização neste momento. E conta com o engajamento de todos para atravessar a grave crise atual e manter a empresa competitiva no mercado global", finaliza a empresa.

 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA